Artigos de Opinião

Autor

Roaming

Pedro Arruda /

128 visualizações   


Uma conquista civilizacional da globalização é a mobilidade. A possibilidade, a custos cada vez mais reduzidos, dos cidadãos se deslocarem entre países e conhecerem o mundo. Nos últimos 150 anos viajar transformou-se de um privilégio quase aristocrático numa opção individual. O ganho civilizacional que advém do contacto com outras culturas, outras línguas, outras sociedades é incomensurável, mas têm uma tradução imediata – a capacidade de nos entendermos, como seres humanos, independentemente da cor da pele, da religião ou da raça. Eu serei Pedro quer aperte a mão a um Pierre ou a um Peter e vice-versa… Esta abolição de fronteiras, de barreiras, foi e é um dos pilares fundamentais da construção europeia e é, também, nas questões práticas que se alicerça o seu simbolismo. Fez esta semana 30 anos que foi instituído o programa Erasmus, um dos mais importantes instrumentos de intercambio estudantil do mundo e uma das pedras fundamentais da solidez do projeto europeu. É nestes gestos, como por exemplo, na abolição das taxas de roaming, que se sustenta a ideia de uma Europa unida e interdependente feita não de estatísticas, mas de pessoas. Existem ainda restrições, na maioria financeiras, a esta democratização, mas todos os passos que dermos em defesa das liberdades individuais, para lá da fronteira das nações, será mais um passo na afirmação de uma globalização de pessoas e de um mundo melhor.•