Artigos de Opinião

Autor

Barracada

Alexandre Pascoal /

344 visualizações   

Ponta Delgada é palco para a maior festa religiosa dos Açores: o Senhor Santo Cristo dos Milagres.

Esta imensa manifestação de religiosidade popular renova-se a cada ano que passa, protagonizada por milhares de fiéis e peregrinos que se deslocam ao Convento da Esperança, junto ao Campo de São Francisco.

A sua popularidade está mais enraizada entre nós, e na comunidade açoriana emigrada, mas congrega cada vez mais devotos que, por agora, se desloca em maior número ao arquipélago.

A taxa de ocupação das unidades hoteleiras é sempre elevada durante os dias da festa e, este ano, terá ficado próximo dos 100%. A somar a este valor, temos de contabilizar toda a nova oferta associada ao Alojamento Local (AL), cuja repercussão vai muito para além dos números oficiais.

A romaria a Ponta Delgada é intensa e não está circunscrita ao lado poente da cidade. A sua realização afecta toda a dinâmica da população que aqui habita e trabalha, nomeadamente, na gestão do trânsito e na salubridade do espaço público.

Contudo, este não parece ser o entendimento de quem gere os destinos do município. Esta não é uma situação nova, repete-se ano após ano, pelo que importa repensar, de forma responsável, toda a componente profana associada a esta grande festa.

O aparente desleixo na gestão do espaço público, de uma cidade como Ponta Delgada, não é compaginável com a imagem de sustentabilidade ambiental e de respeito pelo património que apregoamos (de)ter.

Perante alguns comportamentos e cenários menos aprazíveis, fingimos que não é nada connosco. Mas é. Basta ouvir os comentários e o olhar incrédulo de quem nos visita. Será esta a “diferenciação” de que se fala?

Vamos a exemplos. Não existe nenhum plano que regule o enorme fluxo de veículos ao centro histórico, com todos os constrangimentos que daí advêm: em que a falta de estacionamento alternativo conduz, inevitavelmente, ao parqueamento selvagem, sem respeito por quem tem problemas de mobilidade ou tenha um carrinho de bebé; a informação das alterações do trânsito automóvel não pode estar circunscrita a um edital (publicado numa página interior de um jornal que ninguém tem acesso), tem de existir uma acção pró-activa e pedagógica; e falta uma correcta sinalização e acompanhamento permanente na gestão do trânsito.

O caos parece ser o denominador comum. A proliferação de lixo e a localização/organização da zona de restauração continuam a ser as chagas desta festa.

Se queremos turismo de qualidade, temos de inovar (e renovar) um conjunto de conceitos, transformando as chamadas “barraquinhas” num festival gastronómico, por exemplo, organizado num espaço condigno.

Absolutamente tenebroso, é o espaço onde estão localizadas as actividades lúdicas, local para onde confluem, sobretudo, famílias.

A somar a tudo isto temos os inefáveis sanitários, em maior número, é certo, mas colocados, indiscriminadamente, em plena via pública, uns, inclusive, em frente ao forte de São Brás. Indescritível.

Nunca compreendi a razão pela qual não foram previstas infraestruturas de apoio, a esta grande festa e ao acolhimento de peregrinos, a quando das obras de requalificação do Campo de São Francisco. Uma situação que podia (e devia) ser solucionada em definitivo.

A somar a tudo isto temos, ainda, o triste espectáculo da venda ambulante no passeio da avenida marginal e das festas autorizadas, em pleno centro da cidade, até às seis da manhã.

Tenho consciência das dificuldades inerentes à articulação das várias entidades envolvidas na organização das festas do Senhor Santo Cristo. Mas a responsabilidade maior, desta tarefa, cabe ao município. Aqui não vale encolher os ombros, apontar o dedo à falta de civismo da população ou, simplesmente, “play dead”. Isto será sempre o mais fácil.

Por estes dias, o cosmopolitismo do município de Ponta Delgada rima com Barracada.

* Por opção, o autor escreve segundo a antiga ortografia