UGT acusa patrões de olharem para o turismo como "galinha dos ovos de ouro"

UGT acusa patrões de olharem para o turismo como "galinha dos ovos de ouro"

 

AO Online/ Lusa   Regional   8 de Set de 2018, 09:06

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse esta sexta feira nos Açores que os patrões não podem continuar a olhar para o turismo como a "galinha dos ovos de ouro", e ao mesmo tempo pagarem "um miserável salário mínimo".

"Os nossos empregadores continuam a olhar para a galinha dos ovos de ouro do turismo como se fosse um manancial que nunca mais termina e que todos os anos vai crescendo", realçou o sindicalista, em conferência de imprensa, na Horta, lembrando que o que não tem crescido "são os salários dos trabalhadores, seja da hotelaria, seja da restauração".

Carlos Silva lembrou que muitos empresários se queixam de que têm de reforçar a mão de obra no setor do turismo, mas que ela "não é suficientemente qualificada", acrescentando que também não faz sentido reforçar a qualificação dos recursos humanos e depois continuar a pagar salários baixos.

"Se um trabalhador se qualifica, melhora as suas aptidões, ganha novas competências e depois vai para o local de trabalho e vê que lhe pagam um miserável salário mínimo nacional, naturalmente que isto não é compaginável com a expectativa criada", exemplificou o secretário-geral da UGT.

Carlos Silva, que está de visita aos Açores para participar no congresso regional da UGT, na cidade da Horta, insiste que é necessário que o Governo e os parceiros sociais se sentem à mesa para negociar um aumento real dos salários para 2019.

José Abraão, secretário-geral da FESAP - Federação de Sindicatos da Administração Pública, também presente na conferência de imprensa, assegurou, por outro lado, que vai propor no Conselho Nacional de Concertação Estratégica um aumento de 3,5% nos salários para o próximo ano.

"A nossa proposta é de 3,5% nos salários, com o fundamento de que a inflação subiu 1,4%, e como já não somos aumentados desde 2009, perdemos 12%, por isso, tem de haver aqui alguns ganhos de produtividade", justificou José Abraão ressalvando, porém, que "esta é uma proposta para negociar".

No mesmo sentido, também o coordenador da UGT/Açores, Francisco Pimentel, realçou a necessidade de haver aumentos salariais para os trabalhadores da região, que ainda sofrem, atualmente, com as restrições impostas pelo anterior Governo da República.

"Desde 2009 que não há atualizações salariais", recordou aquele dirigente sindical, que exige também que a remuneração complementar, criada para compensar os custos da insularidade, seja igualmente atualizada em 2019, lembrando que não é aumentada desde 2012.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.