Trump anuncia morte do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi

Trump anuncia morte do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi

 

AO Online/ Lusa   Internacional   27 de Out de 2019, 16:40

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou este domingo a morte do líder do grupo extremista Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, numa operação militar norte-americana no noroeste da Síria.

“Abu Bakr al-Baghdadi está morto”, disse Trump numa comunicação ao país na Casa Branca.

O Presidente norte-americano disse que o líder do grupo ‘jihadista’ se escondeu num túnel durante a operação militar e detonou um colete de explosivos, o que lhe provocou a morte, bem como a três dos seus filhos.

“Morreu como um cão”, disse Trump. “Morreu como um cobarde, a fugir e a chorar”.

Segundo Trump, um “grande número” de combatentes do Estado Islâmico morreu na operação.

No sábado à noite, Donald Trump tinha anunciado no Twitter que “algo muito importante acabou de acontecer!”, sem dizer o quê.

Nas declarações que fez hoje, Trump agradeceu à Rússia, à Turquia, à Síria, ao Iraque e aos curdos.

A morte de al-Baghdadi foi anunciada a vários ‘media’ norte-americanos no sábado à noite por fonte oficial norte-americana que pediu anonimato.

Segundo a fonte, o líder do grupo extremista morreu na província de Idlib, no noroeste da Síria.

A organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos disse ter detetado no sábado à noite um ataque militar, perpetrado por um esquadrão de oito helicópteros e um avião de guerra da coligação internacional, contra posições de um grupo com ligações à al-Qaida, o Hurras al-Deen, na zona de Barisha, no norte da cidade de Idlib, capital da província com o mesmo nome.

Segundo o Observatório, os helicópteros dispararam intensamente contra alvos do Estado Islâmico durante cerca de 120 minutos e foram visados por disparos dos ‘jihadistas’.

A ONG documentou nove mortes durante o ataque, sem confirmação de que al-Baghdadi tivesse sido um deles.

A morte de al-Baghdadi representa um êxito importante de política externa para Trump, numa altura em que o Presidente norte-americano enfrenta fortes críticas pela decisão de retirar as tropas norte-americanas do nordeste da Síria.

A retirada, argumentam muitos críticos, pode permitir ao grupo ‘jihadista’ reagrupar-se e recuperar território que tinha perdido.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.