Tratado de redução de armamentos estratégicos está praticamente pronto – Presidente Medvedev


 

Lusa   Internacional   24 de Jan de 2010, 15:38

O Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, está optimista quanto às perspectivas da assinatura com os Estados Unidos de um novo Tratado de Redução dos Armamentos Estratégicos (START), sublinhando que ele está praticamente pronto.
 “95 por cento das questões estão acordadas. Tenho expectativas completamente optimistas quanto ao tratado”, declarou Medvedev, numa conversa com jornalistas russos.

“No que respeita ao documento, nós e o Presidente Obama definimos claramente as fronteiras do que nós não podemos e eles não podem. Aqui está tudo claro”, frisou.

O anterior Tratado START-1, assinado em 1991 entre a União Soviética e os Estados Unidos, obrigou Moscovo e Washington a reduzir as suas ogivas nucleares até 6.000 unidades para cada lado.

Segundo as últimas estimativas, a Rússia possui 3.909 ogivas nucleares e 814 portadores, enquanto que os Estados Unidos possuem 5.576 ogivas e 1.198 portadores.

Durante a visita de Barack Obama à Rússia, realizada em Julho do ano passado, foi assinado um acordo-marco de redução das armas nucleares estratégicas. As partes acordaram reduzir as cargas nucleares até níveis situados entre as 1.500 e as 1.675 unidades para cada país e os vectores até 500-1000 unidades para cada lado.

A vigência do Tratado STAR-1 terminou a 5 de Dezembro de 2009, mas as partes decidiram continuar a respeitá-lo até ser aprovado um novo. As conversações entre peritos russos e norte-americanos recomeçaram no início de Janeiro e continuarão em Fevereiro em Genebra.

Ao abordar os problemas do sistema de defesa antimíssil norte-americano, Medvedev afirmou: “Esse tema será obrigatoriamente colocado, porque trata-se de uma astúcia falar das forças nucleares estratégicas sem o sistema de defesa antimíssil”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.