Trabalhadores dos Registos e Notariado iniciaram uma greve de cinco dias

Trabalhadores dos Registos e Notariado iniciaram uma greve de cinco dias

 

Lusa/AO Online   Nacional   30 de Jul de 2018, 09:26

Os trabalhadores do Instituto dos Registos e Notariado (IRN) iniciam esta segunda-feira uma greve de cinco dias, em protesto contra a falta de respostas do Governo às reivindicações relacionadas com as carreiras.

A greve, que se prolonga até sexta-feira, foi convocada por uma plataforma sindical composta pela Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP), Sindicato Nacional dos Registos (SNR) e Associação Sindical dos Conservadores dos Registos (ASCR).

O início da greve vai ser marcado por uma concentração de trabalhadores do IRN em frente do Ministério da Justiça, às 15:00, e no final da vigília os representantes sindicais entregam uma carta com as principais reivindicações ao gabinete da ministra Francisca Van Dunem.

Em causa está a revisão das carreiras e do sistema remuneratório, que os sindicatos defendem que deve ser feita em conjunto.

Rui Rodrigues, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Registos, disse à agência Lusa que as carreiras dos funcionários do IRN não são referiu há cerca de 40 anos.

O sindicalista avançou que há “um incumprimento por parte do Governo” em relação ao que está previsto no Orçamento do Estado para 2018, que estabelecia que as carreiras deviam estar publicadas em janeiro e o sistema remuneratório em junho.

De fora da paralisação de cinco dias está o Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado (STRN), que num comunicado hoje divulgado considera “ser inoportuna e até prejudicial a greve decretada por outras organizações sindicais do setor”.

O STRN, que afirma ser a maior organização sindical do setor com mais de 70% dos cerca de 5.000 trabalhadores no IRN, refere que o Governo alterou o projeto inicial, tendo sido acolhidas as reivindicações deste sindicato.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.