Sporting afastado dos "oitavos" e despromovido à Taça UEFA

Sporting afastado dos "oitavos" e despromovido à Taça UEFA

 

Nuno Filipe Ortega-Lusa   Futebol   27 de Nov de 2007, 20:10

O Sporting foi hoje afastado da Liga dos Campeões de futebol e "despromovido" à Taça UEFA, ao perder com o Manchester United (2-1) enquanto a Roma vencia o Dínamo de Kiev (4-1) anulando qualquer hipótese dos "leões"
Um golo de Cristiano Ronaldo em períodos de descontos valeu hoje ao Manchester United o triunfo sobre o Sporting, que, assim, disse adeus ao sonho de alcançar os oitavos-de-final da Liga dos Campeões de futebol.
Contudo, a vitória da AS Roma no reduto do Dínamo de Kiev, por 4-1, permitiu ao Sporting garantir desde já a qualificação para os 16 avos-de-final da Taça UEFA.
Abel, aos 21 minutos, ainda deu esperanças aos "leões", mas o Sporting consentiu o empate na segunda parte ao argentino Carlos Tevez , num lance a "meias" com Marian Had, e Ronaldo, de livre directo, deu o triunfo aos "red devils", aos 92, como já havia acontecido em Lisboa.
Depois de ter utilizado o 4-3-2-1 no empate com o Leixões, o treinador do Sporting regressou ao habitual 4-4-2, com o estreante Rui Patrício, de apenas 19 anos, na baliza, atrás de Abel, Tonel, Polga e Marian Had, que também fazia a sua estreia na "Champions".
No meio-campo, os indiscutíveis Miguel Veloso, debaixo das objectivas devido a um suposto interesse dos "red devils", João Moutinho e Romagnoli eram acompanhados por Izmailov, enquanto Purovic - autor do tento do empate em Matosinhos - fazia dupla com Liedson no ataque.
Por seu turno, o já apurado Manchester United actuava em 4-3-3, com três jogadores menos utilizados no "onze" - Kuszczak, O'Shea e Fletcher - e os portugueses Nani e Cristiano Ronaldo e o ex-"dragão" Anderson no apoio ao homem mais avançado, o francês Saha.
O Sporting não se intimidou por jogar no Teatro dos Sonhos e foi sempre muito coeso defensivamente, cortando quase todos os espaços à equipa inglesa, excepção feita a uma escorregadela de Tonel, que permitiu, aos cinco minutos, um remate perigoso de Nani e a um tiro de Saha, aos 19, após um grande passe de Ronaldo.
O capitão João Moutinho, com um remate perigoso aos 12 minutos, foi o primeiro a mostrar que o conjunto luso não estava em Manchester apenas para defender e, aos 21 , o Sporting acabou mesmo por marcar, num tiro surpreendente de Abel, que apanhou desprevenido o guarda-redes polaco Kuszczak e silenciou Old Trafford. 
Os adeptos "leoninos" voltaram a gritar golo cinco minutos depois, mas o desvio de Liedson a um remate de Polga foi feito em fora-de-jogo.
Não contente com a exibição da equipa na primeira parte, o treinador do United, Alex Ferguson, arriscou ao intervalo, lançando Giggs e Tevez, para os lugares de Nani e Fletcher.
Os "red devils" entraram com mais atitude e foram empurrando para trás o Sporting, que ia tentando responder em contra-ataque.
Aos 57 minutos, assistiu-seo primeiro grande susto da segunda parte para o Sporting, com uma perda de bola de Polga a permitir uma grande oportunidade a Saha, que se atrapalhou com a bola e permitiu o corte a Abel.
O Manchester United continuava a pressionar e, três minutos depois, Vidic cabeceou ligeiramente ao lado, num lance em que O'Shea fez falta sobre Rui Patrício.
O anunciado golo dos "red devils" acabaria por aparecer aos 61 minutos, pelo oportuno Tevez, que desviou, à entrada da pequena área, um remate de Cristiano Ronaldo, numa lance em que MArian HAd também parece tocar na bola.
Um grande remate de Miguel Veloso, aos 64 minutos, ainda deu a ideia de que o Sporting podia conseguir sacudir a pressão do United, mas Cristiano Ronaldo, melhor marcador da Liga dos Campeões a par de Van Nistelrooy, esteve perto de fazer o quinto golo na prova, negado aos 68 minutos por Rui Patrício defendeu.
O português voltou a estar perto do golo aos 75 minutos, num cabeceamento às malhas laterais, após um cruzamento de Tevez, cuja entrada foi decisiva para a melhoria do jogo dos ingleses.
Endiabrado, Ronaldo voltou a estar em destaque pouco depois, primeiro com o remate que passou a milímetros do poste da baliza leonino e depois num cruzamento, que falhou por pouco a cabeça de Carrick.
O jovem Rui Patrício voltou a adiar o segundo golo dos ingleses aos 80 minutos, quando, com o pé esquerdo, impediu que o recém-entrado Hargreaves colocasse o United em vantagem.
Contudo, quando toda a gente já contava com o empate, Cristiano Ronaldo, na marcação de um livre directo, deu o triunfo ao campeão inglês, voltando a ser pouco efusivo nos festejos, à semelhança do que fez em Alvalade, "casa" que o lançou para o futebol internacional.
No período de compensação ainda houive tempo para Rui Patrício negar mais um golo a Cristiano Ronaldo, com uma defesa apertada para canto.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.