Síria leva Conselho de Direitos Humanos da ONU a marcar debate urgente

Síria leva Conselho de Direitos Humanos da ONU a marcar debate urgente

 

Lusa/AO online   Internacional   2 de Mar de 2018, 10:04

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas vai organizar hoje um “debate urgente” sobre a situação humanitária em Ghouta Oriental, na Síria, a pedido do Reino Unido, anunciou um porta-voz.

O debate começará às 15:00 locais (14:00 em Lisboa) no Palácio das Nações, em Genebra, precisou o porta-voz, Rolando Gomez.

Durante o debate será discutido um projeto de resolução apresentado pela delegação britânica e que será submetido a votação dos 47 países atualmente representados no Conselho.

O documento exige a aplicação da resolução votada no sábado pelo Conselho de Segurança da ONU, que prevê um cessar-fogo de 30 dias na região do enclave rebelde de Ghouta Oriental, próxima de Damasco.

Esta trégua não tem sido cumprida, mas a Rússia, aliada do regime sírio, decretou unilateralmente uma pausa diária de cinco horas nos combates, que ainda não permitiu a entrega de ajuda humanitária nem a retirada de doentes e civis.

As forças leais ao regime de Damasco e os rebeldes que controlam o enclave acusam-se mutuamente de violar a trégua.

O projeto de resolução britânico pede ao Conselho dos Direitos Humanos que a comissão de inquérito internacional independente sobre a Síria “instaure urgentemente um inquérito completo e independente sobre os acontecimentos recentes em Ghouta Oriental”.

A região tem sido alvo de ataques da aviação síria e russa, bem como da artilharia governamental, desde 18 de fevereiro, que causaram a morte a pelo menos 617 pessoas, incluindo 149 crianças e 90 mulheres, de acordo com o Observatório.

O enclave rebelde de Ghouta Oriental está desde 2013 sob um cerco das forças leais ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, e os cerca de 400 mil habitantes são vítimas diariamente, além dos bombardeamentos, de falta de alimentos e de medicamentos.

Desencadeado a 15 de março de 2011 na sequência da repressão de manifestações pacíficas pró-democracia, o conflito na Síria, que se estende a outras regiões, já causou mais de 340.000 mortos, bem como milhões de deslocados e refugiados.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.