Europeu de Kickboxing

Sessenta portugueses à procura de medalhas em Castro Marim


 

Lusa/AO   Outras modalidades   6 de Nov de 2007, 08:05

O Pavilhão Municipal de Castro Marim acolhe, entre quinta-feira e domingo, o Europeu de Kickboxing 2007 nas categorias de iniciados, juvenis e juniores, onde os 62 atletas "lusos" presentes vão lutar por um lugar no pódio.
Segundo disse à Agência Lusa o coordenador das selecções Manuel Teixeira, os jovens lusos que vão participar no Europeu são "os melhores atletas portugueses, muitos deles campeões nacionais", nas sete disciplinas que compõem o kickboxing.

    "Tratam-se de jovens que estão a ser preparados há já algum tempo para esta competição, pelo que temos uma equipa forte em todas as modalidades e, como tal, poderemos conquistar algumas medalhas", explicou Manuel Teixeira.

    De acordo o coordenador das selecções, os atletas "estão motivados, calmos, mas com uma certa ansiedade de começar a competir, e convictos de que vão ganhar".

    Para o responsável o mais importante será o primeiro combate: "depois de passar o primeiro combate, é só preciso embalagem para continuar", afiançou.

    Manuel Teixeira sublinhou que chegar à final depende não só da qualidade do atleta, mas também do "factor sorte, do adversário em questão e também das arbitragens".

    No campeonato vão estar presentes cerca de 1.000 atletas (entre os 10 e os 18 anos), em representação de 20 países, para discutirem os títulos de semi-contact, light-contact, full-contact, k1, low kick, aerokickboxing e formas musicais.

    O Europeu é organizado pela Federação Portuguesa de Kickboxing e Muaythai (FPKM) e conta com o apoio das câmaras municipais de Castro Marim e Vila Real de Santo António.

    Ana Vital Melo, presidente da FPKM, explicou à Lusa que organizar um evento deste género "envolveu muito dinheiro, muito dispêndio de tempo, e muita pessoas", mas que quando se trabalha em prol da divulgação da modalidade "tudo compensa".

    "O nosso maior objectivo, com a organização do Europeu, é a divulgação da modalidade. Pois só com a divulgação se aumenta o número de praticantes", afirmou.

    Atletas federados são já cerca de três mil, "praticantes serão muitos mais", explicou Ana Vital Melo, que se encontra na presidência da Federação desde Maio de 2006.

    Ana Vital Melo é também uma das muitas praticantes da modalidade, que considera de "dura e exigente", mas que não tem nada a ver com a conotação de violência a que está associada.

    "Trata-se de uma disciplina de contacto. Mas o jogo com o adversário faz-se muito com a cabeça. É preciso pensar como é que o adversário vai reagir. Não tem tanto a ver com força física. É preciso pensar só no jogo e abstrair de tudo o resto", contou.

    Ana Vital Melo, que encontrou no kickboxing um "vício calmante", do qual sente falta quando não vai aos treinos, duas a três vezes por semana, ganhou uma "adoração pela modalidade", garantindo que o trabalho à frente da FPKM lhe dá "um consolo incalculável".

    "Apesar de ser muito trabalhoso, o facto dos atletas serem reconhecidos, o aumento das verbas para a modalidade e a própria divulgação da mesma, proporcionam um consolo incalculável", retorquiu.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.