Rússia acusa Estados Unidos de violarem compromissos na redução de armamentos estratégicos

Rússia acusa Estados Unidos de violarem compromissos na redução de armamentos estratégicos

 

Lusa / AO online   Internacional   7 de Ago de 2010, 13:26

A Rússia tem pretensões face à forma como os Estados Unidos cumprem os seus compromissos na esfera da não difusão de armas de destruição massiva e do controlo dos armamentos, lê-se numa nota do Ministério russo dos Negócios Estrangeiros publicada hoje.

As autoridades russas queixam-se de que, no período de vigência do START-1, não foram explicadas várias preocupações russas em relação ao cumprimento desse tratado pelos Estados Unidos. Nomeadamente, Washington não informou atempadamente Moscovo de uma série de ensaios de mísseis “Trident-II”.

“A parte russa manifestou várias vezes preocupação face à modernização não autorizada de cinco plataformas de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais no polígono Wandenberg”, acusa a diplomacia russa.

Segundo o MNE russo, “continua aberta a questão da forma de transformação dos bombardeiros pesados americanos B-1 em bombardeiros equipados com armas não nucleares, bem como a sua localização. Os Estados Unidos não apresentaram provas de que eles não poderão voltar a ser equipados com armas nucleares”.

A diplomacia russa assinala violações em massa das normas de conservação de materiais radioativos, bem como das medidas de segurança radioativa numa série de empresas norte-americanas.

“Devido à violação de medidas de segurança radioativa e das normas de armazenamento de materiais radioativos numa série de empresas e organizações, no período entre 1996 e 2001, perderam-se cerca de 1 500 fontes de radiação iónica”, frisa-se na nota.

Depois de enumerar mais uma série de casos de extravio de materiais radioativos, o MNE russo destaca um caso de roubo de um portador eletrónico com informação secreta, ocorrido no Laboratório Nacional de Los Alamos, em 2006: “A particularidade dessa ocorrência consistiu em que, ao contrário de incidentes anteriores, quando segredos nucleares foram parar às mãos de redes de espionagem estrangeiras, dessa vez, eles foram encontrados pela polícia nas mãos de um grupo criminoso ligado ao tráfico de droga.”

A diplomacia russa considera que “a legislação dos EUA no campo da não difusão e da destruição de armar químicas permite à parte americana não cumprir as exigências da convenção sobre a proibição de armas químicas”.

“A administração americana continua a evitar o estabelecimento de qualquer forma de controlo internacional da sua atividade biológica”, continua a nota.

O MNE da Rússia duvida também que “os nossos parceiros cumpram o documento básico das relações da Rússia com a NATO”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.