Rui Rio entra em jogo de futebol a dizer para não se chamar "rentrée" a Pontal

Rui Rio entra em jogo de futebol a dizer para não se chamar "rentrée" a Pontal

 

Lusa/Ao online   Nacional   1 de Set de 2018, 19:44

O líder do PSD, Rui Rio, entrou na manhã deste sábado bem-disposto em campo para disputar uma partida de futebol no Algarve e, antes do apito inicial, aproveitou para insistir em não rotular o Pontal como "rentrée" do PSD.

"Se isto fosse uma 'rentrée', eu teria feito uma 'sortie' em agosto", gracejou o presidente do PSD, em declarações aos jornalistas, acrescentando que as "rentrées" se adequam mais às revistas da vida social e não a um "convívio" como o que está previsto para hoje.

Envergando a camisola com o número 7 - o mesmo usado por Cristiano Ronaldo -, Rui Rio tomou a posição de médio-ofensivo na equipa que reuniu os membros da direção nacional, num torneio de futebol de 7 composto por mais três equipas.

Sublinhando não se tratar de uma operação de "team building", que é o que se usa nas empresas para promover o espírito de equipa, o líder dos sociais-democratas insistiu que esta edição do Pontal é apenas para promover o convívio.

"O Pontal nasceu desta forma genuína, há quem traga camionetas e até comboios [com pessoas], mas eu acho que não deve ser assim", sublinhou, lembrando o ano em que PS e PSD protagonizaram uma renhida disputa, em Faro, com os discursos de "rentrée" a decorrerem em simultâneo.

"Em 1995 tinha havido aquele espetáculo degradante do PSD contra o PS, a ver quem tinha trazido mais militantes, e eu estou um pouco a repetir aquilo que depois se fez em 1996", quando o Pontal começou de manhã, exatamente com um jogo de futebol.

Em 1995, o PS, na altura liderado por António Guterres, montou um palco na Pontinha, na baixa da cidade de Faro, a escassos metros do local onde estava montado o palco da Festa do Pontal, então dirigido por Fernando Nogueira.

A cerca de um ano das legislativas de 2019, Rui Rio disse ainda pretender "adiar o máximo possível" o espírito eleitoral, por considerar que isso "não é bom" para o país, mas admitiu que pode vir ser "arrastado" pelos seus opositores.

O PSD realiza hoje a Festa do Pontal em novo formato, com um jogo de futebol entre dirigentes nacionais, locais e autarcas, e intervenções políticas breves, prevendo-se um discurso de Rio “adequado a uma festa-convívio com os militantes”.

A Festa do Pontal do PSD muda-se do tradicional calçadão da Quarteira, onde se realizou nos últimos anos, para a freguesia de Querença, no interior do concelho de Loulé.

As intervenções políticas estão marcadas para as 16:30 na Fonte Filipe, estando previstos discursos do presidente da concelhia de Loulé, Rui Cristina, do presidente da JSD/Algarve, Carlos Martins, do deputado algarvio Cristóvão Norte, do presidente da distrital de Faro, David Santos, e no fim, de Rui Rio.

Foi com o anterior líder do PSD, Pedro Passos Coelho, que a Festa do Pontal retomou a tradição de contar com a presença do presidente do partido, depois de a sua antecessora Manuela Ferreira Leite não ter estado nas duas edições que se realizaram no seu mandato.

Esta festa começou com a presença do fundador do partido Francisco Sá Carneiro, em 29 de agosto de 1976, num pinhal na zona do Pontal, próxima do aeroporto de Faro e que deu nome ao encontro.

Ao longo dos anos já se realizou em diversos locais no Algarve, e contou com líderes como Francisco Pinto Balsemão, Cavaco Silva, Fernando Nogueira, Marcelo Rebelo de Sousa, Luís Filipe Menezes e Marques Mendes.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.