República Checa substitui França na liderança da UE

República Checa substitui França na liderança da UE

 

Lusa/AO Online   Internacional   16 de Dez de 2008, 10:57

A República Checa elegeu hoje o reforço de uma "Europa sem fronteiras" como a principal prioridade da presidência da União Europeia que se inicia a 01 de Janeiro e é aguardada como muita expectativa e alguma preocupação.
 Depois de a França, no segundo semestre de 2008, ter protagonizado uma presidência forte e acumulado alguns sucessos, a República Checa, há apenas cinco anos na UE, fora da Zona Euro e sem ter ratificado ainda o Tratado de Lisboa, vai fazer tudo para deixar uma boa impressão desta primeira liderança do bloco europeu.

    "Temos orgulho em ser membros da UE (…) e estou certo que daqui a seis meses conseguiremos afastar a impressão de sermos eurocépticos", assegurou a embaixadora da República Checa junto das instituições Europeias, Milena Vicenová, em Bruxelas.

    O processo de ratificação do Tratado de Lisboa por Praga tem sofrido alguns atrasos, mas o Tribunal Constitucional do país deu em Novembro "luz verde" ao documento contra o parecer do Presidente, o muito eurocéptico Vaclav Klaus.

    Os parlamentares checos decidiram esta semana debater a 03 de Fevereiro próximo a ratificação do Tratado de Lisboa, um mês depois do início da sua presidência.

    A Irlanda, o outro Estado-membro que ainda não ratificou o Tratado, deverá organizar um referendo sobre a questão até Novembro do próximo ano.

    Praga terá a responsabilidade de liderar a UE num contexto internacional difícil, principalmente procurar respostas comuns à actual crise financeira e económica que terá um ponto alto na cimeira do G20 prevista para se realizar a 07 de Abril próximo em Londres.

    A nova presidência checa fará os primeiros contactos com a nova administração norte-americana e segundo a embaixadora Vicenová deverá convidar o Presidente eleito Barack Obama a deslocar-se à Europa para participar, provavelmente em Praga, na tradicional cimeira anual entre a UE e os Estados Unidos.

    No final da presidência checa decorrerá em todos os Estados-membros, de 04 a 07 de Junho (muito provavelmente a 07 em Portugal) a realização das eleições para o Parlamento Europeu.

    O resultado dessas eleições vai influenciar de forma decisiva a escolha do próximo presidente da Comissão Europeia, a ser feita na cimeira de 18 e 19 de Junho, que marcará o fim da liderança da República Checa.

    O actual presidente da actual Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, parece ser o candidato, ainda não assumido, mais forte à sua sucessão - o novo mandato começa a 01 de Novembro de 2009 - mas tudo terá de ser confirmado nos próximos seis meses.

    Praga traçou como prioridade da sua presidência lutar por uma "Europa sem fronteiras" com acento tónico em três "E": Economia, Energia e Relações Externas.

    Uma atenção também muito especial será também dada ao relacionamento com os países terceiros da fronteira leste da UE, o que é normal tendo em conta a posição geográfica da República Checa.

   


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.