Cibercrime

Reforço da segurança tem de ser prioridade política

Reforço da segurança tem de ser prioridade política

 

Lusa/AO online   Nacional   12 de Dez de 2011, 11:13

A magistrada Maria José Morgado sublinhou que o reforço da segurança contra a cibercriminalidade tem de ser uma prioridade política, indispensável para a atribuição de meios de investigação.
“O nível de preparação das autoridades portuguesas é bom. Mas, a questão é sempre política na atribuição dos meios proporcionais. E aí é que eu acho que o poder político necessita de atribuir mais meios à investigação criminal, não como uma forma de desperdício, mas como uma forma de ganhar o futuro e de ganhar a guerra", disse a directora do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa.

"Estou a querer dizer com isto que o reforço da segurança tem de ser uma prioridade política", sublinhou Maria José Morgado, após a sessão de apresentação de uma formação sobre cibercriminalidade para investigadores portugueses que decorrerá entre hoje e sexta-feira.

A formação ministrada pela norte-americana ICE - Immigration Customs Enforcement - Homeland Security contará com a participação de Magistrados do Ministério Público, Peritos do DIAP de Lisboa, elementos da GNR, PSP, PJ e SEF.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.