Receitas turísticas atingem "novo recorde" de 16,6 mil ME em 2018

Receitas turísticas atingem "novo recorde" de 16,6 mil ME em 2018

 

Lusa/AO Online   Nacional   20 de Fev de 2019, 17:26

As receitas do turismo aumentaram 9,6%, para um “novo recorde” de 16,6 mil milhões de euros, em 2018 face a 2017, tendo o saldo da balança turística atingido 11,9 mil milhões de euros.

“Os números registados em 2018 mostram que a evolução do turismo é consistente, sendo cada vez mais uma atividade sustentável ao longo do ano e do território, com diminuição da sazonalidade. O valor recorde de receitas e de saldo da balança turística demonstra que a diversificação de produtos e de mercados tem resultados evidentes, conseguindo um crescimento da receita turística de 45% desde 2015”, refere a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, em comunicado.

Para a secretaria de Estado, estes dados “evidenciam uma alteração estrutural no turismo, com grande crescimento em valor, alargamento do turismo ao longo do ano, ao longo do território e diversificação de mercados”.

Segundo destaca, desde 2015 as receitas turísticas cresceram 45%, passando de 11,5 mil milhões de euros para 16,6 mil milhões de euros, e o saldo da balança turística cresceu 52%.

“Em 2015, os turistas estrangeiros gastaram 31 milhões de euros por dia e em 2018 gastaram 46 milhões de euros por dia”, salienta, apontando que “os principais crescimentos de receita ocorreram nos mercados Austrália (+22,6%), Finlândia (+22,3%), Canadá (+20,3%), EUA (+19,1%), China (+18,3%), Rússia (+15,8%), Suécia (+14,4%) e Brasil (+10,8%)”.

Conforme refere, desde 2015 alguns destes mercados “praticamente duplicaram” o seu peso, com a China a passar de 62 milhões de euros de receitas em 2015 para 153 milhões em 2018 (+147,5%), o Canadá a aumentar de 174 para 330 milhões de euros (+89,5) e os EUA a subirem de 530 para 968 milhões de euros (+82,5%), surgindo agora como o quinto principal mercado de Portugal em termos de receitas.

“Esta diversificação – sustenta a secretaria de Estado – tem permitido diminuir a dependência dos quatro principais mercados emissores” (Reino Unido, Espanha, França e Alemanha), que em 2015 representavam 54,2% dos visitantes e, em 2018, viram a sua quota descer para 48,3%.

Ana Mendes Godinho enfatiza ainda que o crescimento da atividade turística “se está a fazer de forma mais sustentável”, já que “os meses em que se registaram maiores crescimentos da receita foram março (+20,3%), maio (+19,5%), fevereiro (+16,1%) e janeiro (+14,9%)”.

No caso dos hóspedes, o crescimento de 1,7% verificado em 2018 (para, pela primeira vez, mais de 21 milhões de pessoas) “aconteceu integralmente nos meses de época baixa”.

Como resultado, em 2018 o índice de sazonalidade registou “o valor mais baixo de sempre”, 36%, quando em 2015 essa taxa era de 39%.

Por regiões, os maiores crescimentos registaram-se no Norte (em todos os indicadores), no Alentejo e nos Açores, “prosseguindo a tendência de alargamento da atividade a todo o território”, remata.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.