Raul Castro admite falar com Barack Obama

Raul Castro admite falar com Barack Obama

 

Lusa/AO Online   Internacional   16 de Dez de 2008, 15:10

O presidente de Cuba, Raul Castro, admite falar com o presidente norte-americano eleito, Barack Obama, desde que "em absoluta igualdade de condições".

 Raul Castro falava segunda-feira aos jornalistas à chegada ao Brasil para participar na Cimeira da América Latina e das Caraíbas sobre Integração e Desenvolvimento (CALC).

    "Se o sr. Obama deseja discutir discute-se e se não deseja discutir não discutimos", declarou.

    Considerou, no entanto, que uma eventual negociação "tem de ser em absoluta igualdade de condições e sem a mínima sombra para a soberania de Cuba".

    "Estamos há 50 anos assim, (…) 70 por cento da nossa população nasceu sob o bloqueio que agora chamam embargo, porque um bloqueio é um acto de guerra", disse ainda, assinalando que os cubanos têm paciência e podem esperar mais 50 anos.

    "Já não é época de bloqueio e de situações desse tipo de impor a vontade do forte ao pequeno. Nós somos pequenos mas não nos podem dominar facilmente", referiu Raul Castro, que substituiu na chefia do Estado cubano o irmão Fidel.

    Raul Castro disse ainda ser com "muito prazer" que participa na CALC, que pela primeira vez convoca os presidentes de toda a região sem a presença dos Estados Unidos e da União Europeia.

    A cimeira reúne até quarta-feira mais de 30 chefes de Estado e de governo no luxuoso complexo hoteleiro Costa do Sauípe, no litoral do nordeste brasileiro.

    Durante este período o complexo turístico transforma-se numa "fortaleza", vigiada por terra, mar e ar.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.