PSD chama à AR ex-presidente do IPDJ após declarações "de extrema gravidade"


 

AO Online/ Lusa   Nacional   8 de Set de 2018, 01:28

O PSD requereu esta sexta feira a audição parlamentar do ex-presidente do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) Augusto Baganha, devido às declarações que proferiu sobre o funcionamento do organismo e situações de ingerência nos processos de decisão.

Na quinta-feira, o atual presidente do IPDJ, Vítor Pataco, anunciou que vai processar o antecessor, Augusto Baganha, por “diversas afirmações, insinuações e acusações”, que – alegou - colocam em causa o seu bom nome.

Hoje, o PSD decidiu chamar Augusto Baganha à Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto por considerar “de extrema gravidade” as afirmações que proferiu relativamente à cessação do seu mandato e ao modo de funcionamento do instituto.

“É da maior relevância ouvir, em comissão, e logo após o início da próxima sessão legislativa, o presidente cessante do IPJD”, justifica o grupo parlamentar dos sociais-democratas.

“Resulta das suas afirmações a existência de motivações partidárias para a cessão do respetivo mandato, a presença de pressões por parte do senhor secretário de Estado da Juventude e do Desporto na atuação do presidente do IPDJ, a ingerência de organizações desportivas nos processos de decisão deste instituto, bem como o eventual favorecimento de organizações desportivas, no âmbito de diversos processos, incluindo contraordenacionais”, lê-se no requerimento.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o atual presidente do instituto, Vítor Pataco, anunciou que vai recorrer “às vias judiciais adequadas”, com vista à “justa e cabal reposição da verdade”.

Em causa está uma entrevista à SIC, em que, de acordo com o comunicado, Augusto Baganha – exonerado da presidência do IPDJ - “proferiu diversas afirmações, insinuações e acusações que, sem qualquer fundamento, remetem para supostos factos que não correspondem minimamente à verdade”.

“As referidas acusações colocam em causa o meu bom nome, a minha ética profissional e a minha responsabilidade no exercício de funções públicas, produzindo consequências que o Dr. Augusto Baganha não podia deixar de antecipar, por terem sido proferidas em estação televisiva, em horário nobre de audiência, o que manifestamente levaria, como levou, à sua posterior ampla divulgação por outros órgãos e meios de comunicação social”, lê-se no documento.

Pataco preside desde terça-feira ao IPDJ, depois de ter sido vice-presidente durante a liderança de Baganha.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.