Projeto de fisioterapeuta do Piaget de Silves quer promover costas saudáveis

Projeto de fisioterapeuta do Piaget de Silves quer promover costas saudáveis

 

Lusa/Ao online   Nacional   1 de Set de 2018, 19:30

Uma fisioterapeuta do Instituto Piaget de Silves, no Algarve, criou um projeto-piloto para sensibilizar as escolas e as famílias a promoverem medidas que previnam o aparecimento, nos jovens, de dores nas costas e distúrbios ósseos e articulares.

A adoção de posturas incorretas, em casa e nas salas de aula, o peso das mochilas e a inadequação do mobiliário escolar ao tamanho dos alunos são alguns dos fatores que favorecem o desenvolvimento de distúrbios osteomioarticulares, explicou à Lusa Beatriz Minghelli, mentora do projeto “Costas Saudáveis”.

O programa, iniciado este ano na Escola Superior de Saúde Jean Piaget do Algarve, consistiu, numa fase inicial, na avaliação de alunos de 12 turmas dos 5.º e 7.º anos de uma escola em Silves, com idades entre os 10 e os 13 anos, através de teste práticos sobre questões ergonómicas, um teste teórico e a avaliação do peso das mochilas.

Destas, a escola escolheu seis turmas para um grupo experimental a quem a fisioterapeuta ministrou sessões informativas e com uma vertente prática, nas quais explicou a diferença entre os comportamentos corretos e os errados e alertou para a importância de adotar mais cuidados com a coluna vertebral.

Beatriz Minghelli revelou à Lusa que verificou vários problemas, nomeadamente, o facto de muitos dos alunos escreverem praticamente deitados sobre as secretárias, além da desadequação do mobiliário escolar ao seu tamanho: há quem não consiga chegar com os pés ao chão quando está sentado.

"As medidas para resolver o problema podem passar por colocar caixas de madeira debaixo dos pés dos mais pequenos, para dar apoio, à imagem dos que existem nos cinemas, e ajustar as mesas ao tamanho dos alunos", referiu a fisioterapeuta.

Contudo, admitiu, o facto de as aulas não decorrerem apenas numa sala dificulta a implementação das medidas, pelo que defende que as aulas de uma turma possam ter lugar sempre na mesma sala para que cada aluno tenha o seu lugar fixo.

O diretor do Instituto Piaget de Silves, Nelson Sousa, considerou que se trata de medidas de prevenção que podem evitar que um adulto venha a sofrer de distúrbios músculo esqueléticos, uma das principais causas de absentismo laboral.

Segundo Beatriz Minghelli, o problema assume maior gravidade por ser durante a infância e adolescência que a estrutura óssea de desenvolve e estas alterações podem originar doenças ortopédicas e reumatológicas, aumentando o número de correções cirúrgicas, se não forem detetadas a tempo.

Em 2014, a investigadora publicou um estudo realizado em parte dos concelhos do Algarve, já que não obteve autorização de todos os municípios, que reunia dados decorrentes da avaliação a 966 adolescentes da região.

Na pesquisa, verificou-se que aproximadamente 60% dos alunos descreveram ter dor nas costas, o que indica a presença de lombalgia em algum momento da sua vida.

O estudo foi realizado ao abrigo do doutoramento de Beatriz Minghelli, realizado na Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.