Presidente alerta que é preciso “levar a sério” crise económica na comunicação social

Presidente alerta que é preciso “levar a sério” crise económica na comunicação social

 

Lusa/Ao online   Nacional   21 de Jul de 2018, 11:43

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta sexta feira que é preciso "levar a sério" a crise na comunicação social e o efeito que pode ter na qualidade da democracia, um problema simultaneamente nacional e internacional.

O chefe de Estado falava durante a entrega dos Prémios Gulbenkian, em Lisboa, que este ano distinguiram, no plano internacional, a organização não-governamental Article 19, de defesa do direito à liberdade de expressão.

Num discurso curto, Marcelo Rebelo de Sousa falou dos galardoados e de como estes respondem a desafios nacionais e internacionais e defendeu a necessidade de "levar a sério a crise económica e financeira da comunicação social [portuguesa] e o que ela prenuncia de combate pela sobrevivência e de preço na qualidade da nossa democracia".

"Sabemos bem, sabe bem o premiado internacional, de como é cada vez mais grave o desafio da comunicação social no mundo", sublinhou o Presidente.

Ao nível nacional, o Prémio Gulbenkian de Coesão distinguiu o projeto dirigido às pessoas sem-abrigo "É uma casa, Lisboa Housing First", da associação Crescer na Maior; o Prémio Gulbenkian Conhecimento foi atribuído ao diretor artístico da Associação Cultural O Espaço do Temo, Rui Horta, pelo trabalho desenvolvido no centro multidisciplinar de residência e experimentação artística de Montemor-o-Novo.

O Prémio Gulbenkian de Sustentabilidade foi atribuído à cooperativa de desenvolvimento sustentável Copérnico, a primeira cooperativa de energias renováveis.

Sobre os galardoados e os desafios que encerram, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou a necessidade de "impedir que a energia, em particular a do futuro, seja vista exclusivamente como negócio estratégico de muito poucos, distintos dos muitos mais".

Por outro lado, o Presidente considerou que é preciso "lutar para que não se consolide irreversivelmente a desigualdade entre os vários ?portugais', em especial, os longínquos do metropolitano".

Numa referência às pessoas sem-abrigo, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que é preciso "não deixar banalizar a indiferença perante aquelas e aqueles que nos habituamos a fazer de conta que não existem, ou de que são a residual inevitabilidade das metrópoles".

"Solidariedade na partilha da energia a pensar no futuro, cultura fora das metrópoles em ligação à escola, atenção empenhada aos sem-abrigo e liberdade de imprensa, são apostas que correspondem a valores decisivos, cá dentro, como lá fora", sintetizou o Presidente.

A entrega dos Prémios Gulbenkian, da Fundação Calouste Gulbenkian, reuniu hoje dois ex-Presidentes da República: Jorge Sampaio, presidente do júri do prémio internacional, e Aníbal Cavaco Silva, que assistiu à cerimónia com a mulher, Maria Cavaco Silva.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.