PR manifesta preocupação com detenção de portugueses na Venezuela

PR manifesta preocupação com detenção de portugueses na Venezuela

 

Lusa/Ao online   Nacional   22 de Set de 2018, 18:51

O Presidente da República manifestou-se este sábado preocupado com a detenção de gerentes portugueses e lusodescendentes na Venezuela e disse estar a acompanhar as diligências realizadas pelo Governo português, segundo uma mensagem publicada página na Internet da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou, na mensagem, a sua “preocupação pelos recentes acontecimentos na Venezuela, envolvendo a detenção de mais de três dezenas de gerentes portugueses e lusodescendentes”.

De acordo com a nota, o Presidente tem acompanhado “a posição e as diligências promovidas pelo Governo português”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) convocou na sexta-feira o embaixador venezuelano em Lisboa, Lucas Rincón Romero, para lhe transmitir “a grande preocupação” do Governo pela detenção na Venezuela de 38 gerentes de duas cadeias de supermercados portuguesas, dos quais 34 permaneciam detidos.

Em comunicado divulgado na sexta-feira à noite, o MNE refere que entre os detidos encontram-se “vários nacionais portugueses e lusodescendentes”, lembrando que, na ocasião, “foi salientado o valioso contributo que a significativa comunidade portuguesa e lusodescendente na Venezuela vem dando ao desenvolvimento do tecido empresarial do país e, em particular, à capacidade do setor da distribuição”.

No encontro com o embaixador venezuelano, Lucas Rincón Romero, foi realçada também a “resiliência que estas empresas têm demonstrado face às dificuldades da economia venezuelana, continuando a assegurar um papel social fundamental no abastecimento das populações e na garantia de emprego”.

O Palácio das Necessidades afirmou ainda que foi transmitida a preocupação do Governo português com “a situação dos setores comerciais onde a comunidade portuguesa está fortemente implantada, face às condicionantes económicas e legais que lhes são impostas”.

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou na quinta-feira que 34 gerentes de "grandes supermercados" tinham sido detidos por “violar a lei”.

"Tivemos um grupo de supermercados que esconderam os produtos às pessoas e começaram a cobrar o preço que lhes dava gana", disse.

Maduro falava durante um Conselho de Ministros que teve lugar no palácio presidencial de Miraflores e que foi transmitido pela televisão estatal venezuelana.

Na quarta-feira, 14 gerentes de duas redes de supermercados de portugueses foram detidos pelas autoridades venezuelanas, que os acusam de ter responsabilidade na falta de abastecimento de alguns produtos básicos nas lojas que administram.

Segundo as autoridades, 13 dos detidos são suspeitos de comercialização ilícita de alimentos e alteração dos preços.

Os detidos trabalhavam para as redes de supermercados Central Madeirense e Excelsior Gama.

As detenções foram realizadas numa operação conjunta entre funcionários da Superintendência para a Defesa dos Direitos Socioeconómicos (Sundde) e da Polícia Nacional Bolivariana.

Em Caracas, as detenções foram efetuadas nas localidades de Los Palos Grandes, Plaza Las Américas, La Urbina, Chacaíto, Bello Campo, Guatire e Avenida Vitória.

Por outro lado, fora da capital, várias fontes dão conta de que vários gerentes foram ainda detidos em Los Altos Mirandinos, Barcelona e Puerto La Cruz.

A oposição venezuelana questionou as detenções e acusou o Governo liderado por Nicolás Maduro de ser responsável pela escassez de produtos básicos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.