Portugal junta-se ao grupo de países mais avançados da NATO em `ciberdefesa´

Portugal junta-se ao grupo de países mais avançados da NATO em `ciberdefesa´

 

Lusa/AO online   Ciência   24 de Abr de 2018, 08:33

Militares dos três ramos das Forças Armadas participam entre hoje e sexta-feira no exercício de “ciberdefesa” internacional “Locked Shields”, organizado pelo Centro Multinacional da NATO para esta área, em Tallin, Estónia.

A delegação portuguesa naquele exercício internacional é composta por 25 elementos, incluindo militares dos três ramos das Forças Armadas, do Centro de Ciberdefesa, do Centro de Dados da Defesa e do Centro Nacional de Cibersegurança, anunciou esta segunda-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), em comunicado.

A participação neste exercício, o “maior e mais complexo do mundo”, segundo o EMGFA, decorre da adesão de Portugal ao Centro Multinacional e Interdisciplinar de Conhecimento na Área da Ciberdefesa da NATO (CCDCOE).

A adesão àquele “centro de excelência” da NATO, que reúne o grupo de países mais avançados em “ciberdefesa”, será formalizada na terça-feira e “robustece a capacidade nacional” neste domínio, “reforçando a ligação com o novo domínio das operações militares”, segundo o EMGFA.

“Serve também para reafirmar o comprometimento nacional com o `Cyber Defence Pledge´, [compromisso para a ciberdefesa] que foi assumido pelos chefes de Estado e de Governo dos países da NATO na cimeira de Varsóvia, em 2016”, é ainda referido na nota.

O centro é financiado pelos 20 Estados-membros que o integram visando a pesquisa, treino e exercícios na área da “ciberdefesa”: Áustria, Bélgica, República Checa, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Holanda, Polónia, Eslováquia, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos, lê-se ainda no comunicado.

O exercício internacional que decorre até sexta-feira visa treinar formas de proteção dos sistemas de informação e tecnológicos e das infraestruturas críticas dos países num cenário de "um ciberataque severo".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.