Populares e família da vítima mantêm espera em frente ao tribunal


 

Lusa / AO online   Nacional   14 de Out de 2009, 12:33

À medida que as horas passam, alguns populares abandonaram o Tribunal de Mondim de Basto, enquanto a família da vítima de Ermelo se mantém firme à espera de saber o que vai acontecer ao presumível homicida de Maximino Clemente.

Depois de se ter entregue na terça-feira à Polícia Judiciária, António Cunha deu entrada no tribunal pouco faltava para as 9:00 locais, rodeado de fortes medidas de segurança para ser ouvido pelo juiz.

Cunha é suspeito de ter morto a tiro Maximino Clemente, o marido da adversária do PSD, Glória Nunes.

Mulher e filhos da vítima estão na linha da frente dos cerca de cem populares que resistem em frente às barreiras montadas pela GNR.

Apesar dos rostos lavados em lágrimas, dos olhares tristes e roupas negras, a viúva Glória Nunes desdobra-se em entrevistas para os mais variados órgãos de comunicação social.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.