Passeios de segways podem ser alargados

Passeios de segways podem ser alargados

 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Jan de 2010, 10:39

Passear no bairro de Alfama em segway ou num pequeno carro eléctrico é possível, desde o Verão de 2007, graças a uma empresa inteiramente portuguesa, que assegura estar a preparar-se para "abordar oportunidades" de negócio no estrangeiro.

Daniel Bilhau, director comercial da Red Tour, assegura que a prioridade actual da empresa é "consolidar-se" no mercado português, mesmo admitindo o responsável que existem "outras oportunidades" em cima da mesa, nomeadamente "fora de Portugal": "Vamos estar a trabalhar nisso" em 2010, assevera.

A Red Tour é uma empresa que organiza passeios em Lisboa, divididos por três diferentes modalidades: aos passeios em segway junta-se o aluguer de bicicletas e de carros eléctricos (de dois e quatro lugares e também conhecidos por "buggies"), sendo possível, em qualquer um dos casos, utilizar um GPS que indica não só as direcções a seguir mas conta também a história dos diversos pontos de interesse por onde o turista passa.

O objectivo por detrás da criação da Red Tour passou, segundo afirmou Daniel Bilhau à agência Lusa, por criar um "serviço de turismo em veículos ecológicos, eléctricos e silenciosos", que permitisse aos interessados uma diferente perspectiva de visitar Lisboa, nomeadamente bairros típicos como o de Alfama.

Os turistas "estrageiros, não residentes" são os principais utilizadores dos serviços da Red Tour, mesmo assumindo o "cliente português" uma importância estratégica, procurando diferentes programas que se "adaptem ao procurado".

"Estamos a trabalhar e a desenvolver novos produtos e programas para chegarmos com mais força ao público português", assegura o responsável da Red Tour.

Para além de Alfama, é também possível utilizar os carros eléctricos em passeios pelo Chiado, Princípe Real, e Belém. Já através de segway, Alfama é o único bairro abrangido pelos passeios com o veículo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.