Papa reconhece oito bispos nomeados pelo regime chinês

Papa reconhece oito bispos nomeados pelo regime chinês

 

Lusa/Ao online   Internacional   23 de Set de 2018, 00:00

O papa Francisco reconheceu oito bispos, sete deles ainda vivos, nomeados pela China e que até agora não eram admitidos “de forma oficial” pelo Vaticano, informou este sábado num comunicado oficial o Vaticano.

O papa tomou esta decisão no marco de um acordo provisório sobre a nomeação dos bispos alcançado entre os dois Estados, que não têm relações diplomáticas desde 1951.

Segundo a nota, os bispos reconhecidos pelo Vaticano são Giuseppe Guo Jincai, Giuseppe Huang Bingzhang, Paolo Lei Shiyin, Giuseppe Liu Xinhong, Giuseppe Ma Yinglin, Giuseppe Yue Fusheng, Vincenzo Zhan Silu.

A estes soma-se Antonio Tu Shihua, que morreu a 04 de janeiro de 2017, mas expressou antes de morrer o desejo de reconciliação, segundo o Vaticano.

“O papa Francisco deseja que, com as decisões tomadas, seja possível iniciar-se um novo caminho que permita superar as feridas do passado, realizando a plena comunhão de todos os católicos chineses”, acrescentou a nota.

Previamente, o Vaticano informou que o Vaticano e a China assinaram hoje, em Pequim, um acordo provisório sobre a nomeação de bispos, principal motivo do conflito entre os dois Estados.

O acordo provisório foi assinado hoje numa reunião, em Pequim, pelo subsecretário de Relações do Vaticano com os Estados, Antoine Camilleri, e pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, Wang Chao, como chefes das delegações do Vaticano e da China, respetivamente.

O acordo, informou o Vaticano, “trata da nomeação de bispos, que é uma questão de grande importância para a vida da Igreja (Católica) e cria as condições para uma colaboração mais ampla a nível bilateral".

As duas partes compartilham o desejo de que "este acordo fomente um processo de diálogo institucional frutífero e contribua positivamente para a vida da Igreja Católica na China, para o bem do povo chinês e para a paz no mundo", concluiu a nota.

O diretor da assessoria de imprensa do Vaticano, Greg Burke, explicou numa breve declaração que "este não é o fim do processo, é o início”.

“Tratou-se de um diálogo, de uma escuta paciente feita por ambos os lados, incluindo quando as pessoas demonstravam pontos de vista muito diferentes", disse o porta-voz.

"O objetivo do acordo não é político, mas pastoral, permitindo que os fiéis tenham bispos em comunhão com Roma, mas ao mesmo tempo, reconhecidos pelas autoridades chinesas", acrescentou o porta-voz.

Os laços diplomáticos entre a China e o Vaticano são inexistentes desde 1951, após a excomunhão por parte de Pio XII de dois bispos designados por Pequim, facto ao qual as autoridades chinesas responderam com a expulsão do núncio apostólico, que se estabeleceu na ilha de Taiwan.

A China, por sua vez, não reconhece o papa e tem a sua própria Igreja Católica Patriótica desde 1949, quando Mao Tsé-tung estabeleceu a República Popular da China.

No entanto, as relações bilaterais entre a China e o Vaticano tiveram uma certa reaproximação desde o início do pontificado de Francisco e as partes expressaram em várias ocasiões disposição para melhorar os seus laços.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.