PAN quer que Portugal integre campanha da ONU para retirar plásticos do mar

PAN quer que Portugal integre campanha da ONU para retirar plásticos do mar

 

Lusa/Ao online   Nacional   25 de Ago de 2018, 09:40

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) quer que Portugal integre a campanha de limpeza do lixo marinho ‘Clean Seas’, lançada pela ONU em 2017, e lembra que os portugueses consomem uma média de plásticos superior à dos restantes europeus.

Num projeto de resolução entregue hoje na Assembleia da República, o PAN recomenda ao Governo que se junte aos 44 países que já assumiram o compromisso internacional de reduzir a poluição no mar e o seu impacto no ecossistema.

É preciso “ir mais além nas políticas públicas para preservar o oceano da poluição dos plásticos e dos microplásticos”, afirma o porta-voz do PAN, Francisco Guerreiro, defendendo que “Portugal não pode ficar à margem deste apelo da ONU”.

Segundo o partido, que cita dados da Eurostat de 2015, cada português produz uma média de 36 kg de plástico por ano, o que representa mais 5 kg do que a média europeia.

No total, Portugal produz quase 370 toneladas de plástico anualmente, sendo que o conjunto da Europa alcança os 58 milhões de toneladas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou, no ano passado, a campanha internacional ‘Clean Seas’, com vista a trabalhar com governos, sociedade civil, público em geral e setor privado para solucionar o problema do plástico marinho.

Em janeiro deste ano, a União Europeia lançou a Estratégia Europeia para os Plásticos com o objetivo de, até 2030, tornar reutilizáveis todas as embalagens de plástico no mercado, reduzir o consumo de plásticos descartáveis e restringir a utilização de microplásticos.

Estima-se que 10% dos plásticos produzidos no mundo terminem nos oceanos e que 60 a 80% do lixo marinho sejam plásticos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.