Nova proposta do Governo pode levar a acordo com trabalhadores da Saúde

Nova proposta do Governo pode levar a acordo com trabalhadores da Saúde

 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Mai de 2018, 08:45

Os sindicatos dos trabalhadores da saúde receberam na noite de ontem uma nova proposta do Ministério da Saúde que pode levar a um acordo entre as partes, disse à Lusa fonte sindical, explicando que existe “uma aproximação de posições”.


“A greve foi tão importante que recebemos, há uma hora, uma proposta para a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho que pode resolver o problema dos contratos individuais nos hospitais EPE”, disse à Lusa José Abraão, secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (Sintap).

O sindicalista adiantou que a greve de dois dias dos trabalhadores da saúde, que não inclui médicos e enfermeiros, que termina hoje, está “superou em muito as expectativas” sendo que “as perturbações são significativas", rondando os 70 a 80% de adesão a nível nacional.

“Fica a sensação de que o Governo ouviu e manifestou abertura para se avançar neste processo. Só por isto, a greve já foi importante”, defendeu, explicando que a greve causou “constrangimentos significativos” nos blocos operatórios, enfermeiras ou consultas externas.

José Abraão referiu que a anterior proposta que tinham recebido “não era aceitável”, explicando que houve uma evolução no novo documento.

“Pelo que vi na proposta, com alguns aspetos importantes em relação à que tinha sido apresentada, podemos caminhar no sentido de se estabelecer um Acordo Coletivo de Trabalho que reponha as 35 horas semanais para todos e que garanta carreira a todos aqueles que estão em contrato individual, há 10 ou 15 anos e que até agora não têm”, frisou.

A reunião vai decorrer esta sexta-feira, pelas 11:30, no Ministério da Saúde.

“Verifica-se alguma aproximação de posições e vamos para as negociações de espírito aberto, com responsabilidade e seriedade, esperando que o governo concretize com justiça, sem tratar os trabalhadores como uns de primeira e outro de segunda”, defendeu.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.