Nova campanha de recolha de radiografias começa hoje


 

Lusa/AO On line   Nacional   4 de Jun de 2010, 06:22

A AMI lança hoje a 15.ª campanha de reciclagem de radiografias antigas e pretende encaminhar a totalidade dos fundos angariados com a recolha para o financiamento de projetos de cariz ambiental, a mais recente área de ação da instituição.

“É nosso objetivo que este dinheiro possa ser usado em projetos ambientais na área das energias renováveis”, disse à agência Lusa o diretor do Departamento de Ambiente da AMI, Luís Lucas, que acrescentou que a campanha é hoje “claramente um projeto de valorização ambiental”.

A Assistência Médica Internacional (AMI) pretende canalizar os fundos angariados para projetos de produção de energia elétrica, não só em Portugal como também “fora do país, em sítios onde a energia elétrica é quase nula ou mesmo inexistente”.

Projetos de ação social em Portugal e campanhas humanitárias nos países onde a AMI está presente foram em campanhas anteriores os principais destinatários das verbas angariadas.

A organização não governamental espera recolher, à semelhança do que tem acontecido em anos anteriores, cerca de 100 toneladas de radiografias antigas e sem valor clínico, com uma campanha que estará presente em todas as farmácias do país, ao longo das próximas três semanas e que pode permitir a angariação de cerca de 150 mil euros para financiamento de projetos.

Para além do contributo de particulares, a AMI tem contado também nestas campanhas com a doação de radiografias por hospitais e centros de saúde.

Nas campanhas desenvolvidas desde 1996 a AMI recolheu mais de mil toneladas de radiografias, que depois de encaminhadas para os centros de tratamento de resíduos para separação da prata contida nas películas renderam mais de um milhão de euros com a venda de cerca de uma tonelada de prata.

A AMI é uma organização não governamental (ONG) portuguesa criada em 1984 pelo médico cirurgião urologista Fernando Nobre, "destinada a intervir rapidamente em situações de crise e emergência e a combater o subdesenvolvimento, a fome, a pobreza, a exclusão social e as sequelas de guerra em qualquer parte do Mundo".

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.