Níveis de ozono bateram recordes no último fim de semana, diz associação ZERO


 

Lusa/Ao online   Nacional   11 de Ago de 2018, 20:30

Os níveis de ozono bateram recordes no último fim de semana, alerta a associação ambientalista ZERO, apontando falhas nos avisos obrigatórios e nos planos de ação.

Recordando que o ozono é um poluente importante à superfície e atinge níveis elevados com forte calor e radiação solar, a ZERO refere que, de acordo com a legislação em vigor, há dois limiares de informação obrigatória à população: o limiar de informação ao público, quando se verifica um valor horário de ozono superior a 180 µg/m3; o limiar de alerta do público, quando se verifica um valor horário de ozono superior a 240 µg/m3.

Em comunicado, a ZERO – que recorreu aos dados da Agência Portuguesa do Ambiente, sublinhando tratar-se de dados provisórios – verificou que, “no período entre 1 e 7 de agosto, o limiar de informação foi ultrapassado 89 vezes, sendo que em 25 destas vezes de superou ainda o limiar de alerta”.

Neste quadro, “dois recordes foram atingidos” no sábado 4 de agosto, “o dia deste século com maior número de ultrapassagens ao limiar de alerta de ozono” e com o “valor horário mais elevado” de “concentração de ozono – 410 mg/m3 entre as 16 e as 17 horas”, na estação de qualidade do ar de Monte Velho (Santiago do Cacém).

Segundo a associação, também as partículas “atingiram valores muito elevados em todo o país”, por influência dos ventos do Norte de África e dos incêndios.

Apesar de considerar que “houve uma informação geral adequada emitida pelas autoridades e veiculada de forma relativamente satisfatória pelos órgãos de comunicação social”, a ZERO constatou que “as Comissões de Coordenação de Lisboa e Vale do Tejo e do Norte não efetuaram os avisos que são obrigatórios aquando das ultrapassagens aos limiares de informação e/ou alerta durante o [primeiro] fim de semana [de agosto]”.

As comissões mencionadas “não dispõem de serviços de alerta aos fins de semana”, uma “situação inadmissível”, denuncia a associação.

Simultaneamente, acrescenta a associação, “diversas estações de monitorização não disponibilizaram dados nos períodos críticos ou apresentaram dados que aparentemente não estavam corretos”.

Na opinião da ZERO, o incêndio em Monchique “teria beneficiado de uma informação mais acompanhada junto da população” sobre os níveis de partículas medidos.

A associação considera que, dado que as elevadas temperaturas serão cada vez mais prováveis, “é desejável que as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, de acordo com o previsto em legislação europeia e nacional, tenham planos de ação de curto prazo para tentar reduzir os níveis de ozono”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.