Morreu o cineasta e diretor de fotografia António Escudeiro, de 85 anos


 

Lusa/Ao online   Nacional   22 de Set de 2018, 19:03

O realizador de cinema e diretor de fotografia António Escudeiro, de 85 anos, morreu na sexta-feira, em Lisboa, vítima de doença prolongada, anunciou hoje a Associação Portuguesa de Imagem, da qual era sócio honorário.



António Escudeiro realizou vários programas e documentários para a RTP, a partir de 1970, como “Cantigamente” (1976), e realizou, entre outros, os filmes “Velocidade de Sedimentação” (2008), uma curta-metragem protagonizada por Ana Padrão e Miguel Borges, e o documentário “Separados Nós” (1999).

Como diretor de fotografia realizou cerca de 45 trabalhos, quer em curtas ou longas metragens e documentários, e cerca de 250 filmes publicitários, a maioria deste realizados por si.

“A sua contribuição para a direção de fotografia é de reconhecido mérito pela qualidade e pela presença constante da sua técnica e criatividade ao longo de 35 anos de experiência", afirma em comunicado a Associação Portuguesa de Imagem.

Escudeiro trabalhou com realizadores como Paulo Rocha, António de Macedo, José Fonseca e Costa, José Manuel Lopes, Vicente Jorge Silva e Fernando Lopes.

As cerimónias fúnebres realizam-se hoje a partir das 15:00 na Casa Independente, no Largo do Intendente, em Lisboa, onde se realiza o velório até às 19:00. No domingo, às 14:00, realiza-se o funeral para o cemitério do Alto de São João, também na capital.

António Escudeiro nasceu na cidade do Lobito, no sul de Angola, a 02 de julho de 1933, e entre outras atividades, assinou, com o historiador de arte Vítor Serrão, o argumento do documentário “Para Josefa”, sobre a pintora Josefa d’Óbidos, que também realizou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.