Ministro da Defesa anuncia obras na pista da Base das Lajes

Ministro da Defesa anuncia obras na pista da Base das Lajes

 

Luísa Couto   Regional   18 de Abr de 2010, 15:30

Deverão arrancar em Junho as obras de repavimentação da pista da Base das Lajes, um investimento de 5 milhões de euros, partilhado pelos governos português e norte-americano.
 A data foi anunciada ontem pelo ministro da Defesa Nacional, Augusto Santos Silva, em declarações aos jornalistas, após a cerimónia de implementação da aeronave C-295 no Destacamento Aéreo dos Açores. De acordo com o governante, são esses investimentos norte-americanos que se perspectivam a curto prazo, que fazem cair por terra as “teorias” que dão conta de que a importância da Base Aérea Nº4 virá, nos próximos anos, a “descer” importância.

Como avançou o Açoriano Oriental, na sua edição de ontem, a Base das Lajes pode vir a perder importância para a estratégia de defesa de Washington, se vierem a ser adoptadas as recomendações do “White Paper” do Air Mobility Command - Global En Route Strategy, do Pentágono, que aponta para a desvalorização da infra-estrutura. Neste documento, cedido ao AO pelo especialista em Relações Internacionais, Miguel Monjardino, a Base passa do Tier 1 (nível 1) para Tier 3 e em 2025 chegará ao Tier 4.

“Não conheço nenhum documento norte-americano mas sei ver mapas. E basta ver o mapa para perceber a importância geo-estratégica absolutamente essencial da Base das Lajes para os Estados Unidos e para o conjunto das instituições que asseguram a paz no nosso mundo”, reagia assim o ministro da Defesa ao referido cenário.

Aliás, a esse propósito, Augusto Santos Silva fez questão de reiterar “que está a aumentar o investimento norte-americano e português nas condições operacionais das Lajes”. “Basta reparar nesse aspecto para perceber que a importância da Base das Lajes vai, pelo menos, manter-se, porque ninguém investe para desinvestir a seguir. Seria absurdo”, assegurou, lembrando que, por exemplo, no que respeita à repavimentação da pista, está em causa um investimento de mais de cinco milhões de euros.

Quanto à possibilidade da Base Aérea Nº4 vir a ser utilizada para treino de caças norte-americanos, o responsável pela pasta da Defesa garante não ter conhecimento de nenhuma proposta formal apresentada pelos Estados Unidos, para eventual desenvolvimento dessas zonas de treino. Ainda assim, refere que “Portugal está sempre disponível para analisar, com o cuidado que merecem, as propostas que lhe são feitas pelo seu aliado principal que são os Estados Unidos”.

Leia esta notícia na íntegra no jornal Açoriano Oriental de Domingo,
Dia 18 de Abril de 2010


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.