Ministra da Presidência congratula-se com Nobel da Paz a Nadia Murad e Denis Mukwege


 

Lusa/Ao online   Internacional   5 de Out de 2018, 21:33

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa congratulou-se hoje com a atribuição do Prémio Nobel da Paz a Nadia Murad e a Denis Mukwege, símbolos da denúncia da violência sexual contra as mulheres usada como arma de guerra.

O prémio Nobel da Paz de 2018 foi hoje atribuído ao médico congolês Denis Mukwege e à ativista de direitos humanos Nadia Murad.

Numa nota de imprensa, Maria Manuel Leitão Marques defende que esta atribuição é o reconhecimento do impacto desigual que os conflitos armados têm sobre as mulheres – particularmente vulneráveis a crimes sexuais, a tráfico e a exploração, como foi o caso de Nadia Murad e das milhares de mulheres yazidis escravizadas pelo Estado Islâmico.

Este flagelo, adianta a ministra, “afeta também muitas meninas e mulheres na República Democrática do Congo, que têm sido assistidas, física e psicologicamente, no Hospital criado pelo médico Denis Mukwebe”.

A ministra acrescenta que a voz dos dois laureados tem tornado visível esta “dramática” situação das mulheres e reclamado o reconhecimento da violência sexual em situações de conflitos armados como crime de guerra.

Segundo a governante, as diversas Resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre Mulheres, Paz e Segurança têm reforçado os alertas sobre a violência sexual apelando para redobrados esforços por parte dos Estados-membros.

Em Portugal, adianta Maria Manuel Leitão, o II Plano Nacional de Ação para a Implementação da Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas n.º 1325 sobre Mulheres, Paz e Segurança (2014-2018) integrou medidas como a promoção do intercâmbio e divulgação das experiências vividas entre elementos destacados em missões de manutenção e construção da paz e segurança, ou a formação sobre igualdade de género e violência contra as mulheres e raparigas para dirigentes e quadros técnicos da área da justiça, das forças armadas e forças de segurança.

No ano passado, o prémio foi atribuído à Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (ICAN, em inglês), pelo trabalho feito para a eliminação de armamento nuclear no mundo.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.