Menos campanhas de prevenção levam a aumento da sinistralidade

 Menos campanhas de prevenção levam a aumento da sinistralidade

 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Jan de 2010, 10:25

O presidente do Automóvel Club de Portugal (ACP) diz que a “redução” das campanhas de prevenção rodoviária e a “extinção” da Brigada de Trânsito da GNR foram responsáveis pelo aumento do número de mortos e acidentes no Ano Novo.

A GNR registou, nos cinco dias da Operação Ano Novo, oito mortos, 28 feridos graves e 396 feridos ligeiros, num total de 1259 acidentes.

Relativamente ao período homólogo de 2009, a GNR contabilizou mais 116 acidentes, mais um morto, mais 20 feridos graves e mais 46 feridos ligeiros.

“Estes dados devem-se única e exclusivamente à redução das campanhas de prevenção rodoviárias e, sobretudo, à extinção da Brigada de Trânsito da GNR”, disse à agência Lusa o presidente do ACP.

Carlos Barbosa recordou que estas medidas foram decretadas pelo ex-ministro da Administração Interna António Costa, quem considerou “moralmente responsável por este aumento de acidentes e de mortes”.

“A extinção da BT da GNR provocou o total desleixo em termos de fiscalização, visto que a Unidade de Trânsito não tem o mesmo sentido, nem as mesmas características de fiscalização da antiga Brigada de Trânsito”, afirmou, acrescentando que, por outro lado, “todo o dinheiro que ia para as campanhas rodoviárias tem sido desviado para outros fins”.

Para Carlos Barbosa, o Governo deve “voltar atrás”, repor “rapidamente” a Brigada de Trânsito e “deixar-se de comissões de estudo sobre a Unidade de Trânsito”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.