Marcelo diz que papel desportivo e nacional de Ronaldo "jamais será apagado"

Marcelo diz que papel desportivo e nacional de Ronaldo "jamais será apagado"

 

Lusa/Ao online   Nacional   5 de Out de 2018, 20:51

O Presidente da República afirmou esta quinta feira que o jogador de futebol Cristiano Ronaldo jamais deixará de ter um papel desportivo e nacional apesar de estar “envolvido na justiça”, por alegada violação de uma mulher norte-americana.

“Eu não mudo de ideias quanto ao papel desportivo e nacional que alguém que hoje está envolvido na justiça teve na vida do nosso país. Isso existe e é uma realidade”, afirmou o chefe de Estado referindo-se às queixas de uma norte-americana de que teria sido violada, em 2009, por Cristiano Ronaldo.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava esta manhã aos jornalistas, em Lisboa, durante as comemorações do 05 de Outubro, pediu que se deixe que “a justiça seja feita” e que se aguarde pelo fim para “olhar para as conclusões”.

O jogador da Juventus, de 32 anos, é acusado por Kathryn Mayorga, que diz ter sido violada por Cristiano Ronaldo em 13 de junho de 2009 durante uma festa num hotel de Las Vegas, no estado norte-americano do Nevada.

A polícia local anunciou na segunda-feira a reabertura da investigação, depois de Kathryn Mayorga, professora, de 34 anos, ter apresentado queixa na semana passada num tribunal do condado de Clarck, Las Vegas.

Kathryn Mayroga denunciou a presumível violação à polícia de Las Vegas em 2009 e foi submetida a exames médicos, mas, segundo as autoridades, recusou-se a identificar o alegado agressor, uma versão contrariada na quarta-feira por um dos seus advogados, Leslie Stovall, que garante que a sua cliente nomeou Cristiano Ronaldo.

Os advogados, que dizem não perceber por que parou a investigação, vão apresentar uma ação contra Ronaldo pelos crimes de violação sexual, tentativa de assédio sexual, coação para fraude, agressão a uma pessoa vulnerável, conspiração, difamação, abuso de processo, tentativa de silenciar o caso, tentativa de concretizar um acordo de não divulgação, negligência e violação de contrato.

Assim que for notificado, o internacional português da equipa italiana Juventus terá 20 dias para responder à queixa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.