Mais casos de crianças em risco por resolver

Mais casos de crianças em risco por resolver

 

AO Online   Regional   9 de Jun de 2010, 15:47

Açores e Guarda são as regiões do país que registaram em 2009 o maior número de processos pendentes, relativos a crianças e jovens em risco.
Ambas as regiões representaram 62% do total de casos que não se conseguiram resolver de um ano para o outro, disse ontem o Secretário-Executivo da Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens (CNPCJ) em Risco, Ricardo Carvalho, no Encontro Nacional de Avaliação da Actividade das CPCJ de 2009, que termina hoje, em Ponta Delgada, sob o tema “Criança Sujeito de Direito - Uma nova cultura, uma nova responsabilidade, uma nova ambição. Onde estamos? Para onde queremos ir?”. No caso dos Açores, o facto de haver mais situações pendentes (1994) tem a ver com a sua natureza complexa. No segundo dia da iniciativa ficou patente que as CPCJ dos Açores lidaram no ano passado com 3215 casos, enquanto a nível nacional esse número atingiu 66896 casos. Carvalho explicou que, no caso do continente português, “o volume processual aumentou, mas diminuiu o acolhimento de menores em lares”.

Leia esta notícia na íntegra na edição de hoje do Açoriano Oriental.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.