JPP reafirma que vai concorrer sozinho às eleições regionais na Madeira em 2019

JPP reafirma que vai concorrer sozinho às eleições regionais na Madeira em 2019

 

Lusa/Ao online   Nacional   29 de Set de 2018, 11:05

O JPP reafirmou hoje que vai concorrer com listas próprias às eleições regionais na Madeira, em 2019, embora integre a coligação Confiança, que lidera a Câmara do Funchal e cujo presidente é candidato a chefe do executivo pelo PS.

"Não nos faz impressão nenhuma estarmos juntos nas autárquicas e separados nas regionais", disse o secretário-geral do Juntos Pelo Povo, Élvio Sousa, num jantar-convívio que assinalou a ‘rentrée' política do partido e juntou cerca de 200 militantes e convidados no concelho da Ribeira Brava, zona oeste da Madeira, incluindo autarcas eleitos em Felgueiras e na Maia.

O JPP integra a coligação Confiança, juntamente com o PS, BE, PDR e Nós, Cidadãos!, que venceu a Câmara Municipal do Funchal em 2017. Logo após a eleição, o presidente da autarquia, o independente Paulo Cafôfo, anunciou que seria candidato a chefe do Governo Regional apoiado pelo PS.

"Cada macaco no seu galho", afirmou Élvio Sousa, sublinhando que "o que resultou para o Funchal poderá não resultar para as regionais", embora considere que o eleitorado da Madeira e do Porto Santo "deseja uma alternativa".

O JPP, que em 2015 se tornou um dos maiores partidos da oposição na região autónoma, ao eleger cinco deputados para a Assembleia Legislativa da Madeira, garante que vai concorrer "isoladamente", embora deixe em aberto os cenários pós-eleitorais.

O secretário-geral do JPP considera que o Partido Social Democrata, que governa a região autónoma há quatro décadas consecutivas, "defraudou as expectativas da população", pelo que, neste contexto, pretende assumir-se como uma "força política alternativa".

"O JPP irá assumir-se como uma força política alternativa ao PS e ao PSD", disse, reforçando: "O JPP é um projeto de confiança, um projeto de alternativa e um projeto para as próximas eleições, com independência, com perseverança e equidistância de todos os setores".

Élvio Sousa vincou que o Juntos Pelo Povo é um "projeto supra ideológico", pelo que não se enquadra na direita, nem na esquerda, nem no centro.

"Somos um partido recente, de causas e de pessoas e vamos continuar a sê-lo", afirmou, sublinhando que defende a redução fiscal para as famílias e para as empresas, o equilíbrio das contas públicas e a redução das despesas do Governo Regional.

"Consideramos exageradas despesas como os 97 milhões de euros injetados este ano em sociedades de desenvolvimento falidas e os 15 milhões para amortização de juros da dívida", realçou Élvio Sousa.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.