Jovens acreditam que "misturar" culturas é um passo para integração

Jovens  acreditam que "misturar" culturas é um  passo para integração

 

Lusa/AO Online   Internacional   25 de Ago de 2010, 18:38

Os 30 jovens de Portugal, Espanha, Itália e Alemanha que até 29 de agosto discutem, na Costa da Caparica, a discriminação na Europa consideram que só “misturando e conhecendo” várias culturas se pode caminhar para a integração.

Comentando o programa francês de repatriamento de ciganos búlgaros e romenos, os jovens defenderam que na luta contra a discriminação as armas devem ser as palavras.

Para Pedro Aguilera, 24 anos, ator espanhol e participante no encontro “Jovens Energias Contra a Discriminação”, esta é “uma situação muito triste”.

“Fala-se muito da Europa e da inexistência de fronteiras. Não creio que, de facto, a terra seja de alguém. E admito que haja grupos de ciganos, como outros grupos de não ciganos, com problemas. Mas assinalar todo o grupo que vive num país, como é o caso, é absolutamente injusto”, afirmou.

Pedro Aguilera defende que este cenário é mais um argumento que justifica a necessidade de a juventude europeia acordar para uma cidadania mais ativa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.