João Soares anuncia "decisão pessoal" de não integrar listas do PS às legislativas

João Soares anuncia "decisão pessoal" de não integrar listas do PS às legislativas

 

AO Online/ Lusa   Nacional   29 de Jun de 2019, 19:14

O socialista João Soares anunciou este sábado que não integrará as listas do PS às eleições legislativas de outubro, numa “decisão pessoal” que comunicou antes das eleições europeias, dizendo esperar que a “solução política de esquerda” possa continuar.

O deputado, que foi o primeiro ministro da Cultura do Governo de António Costa, escreveu na rede social Facebook que não integrar as listas foi uma “decisão pessoal comunicada ao secretário-geral do PS, presidente do partido, e à secretária-geral adjunta, ainda antes das eleições para o Parlamento Europeu”.

“Decisão que não resulta de nenhum cansaço especial, de vontade de reforma, ou muito menos de afastamento dos meus ideais de sempre, ou do partido político a que orgulhosamente pertenço, o PS. Pelo contrário, continuo firmemente apostado nos combates políticos do PS. Determinado a participar ativamente na próxima campanha eleitoral legislativa”, sustentou, sublinhando o “apoio firme ao Governo”, em que teve “o prazer de participar”.

João Soares frisou o seu apoio à “solução política de esquerda” que deu “solidez parlamentar e tempero político”: “Apoiante antes mesmo de ter existido, espero que possa continuar no futuro”.

“Estarei empenhado nas frentes de combate onde julgar, ou julgarem, que posso ser útil. E for oportuno. Com a determinação, entusiasmo, e alegria de sempre”, escreveu João Soares.

O até agora deputado socialista foi ministro da Cultura durante quatro meses, no início do governo de António Costa, pedindo a demissão depois de uma polémica envolvendo os colunistas Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente.

Na altura, João Soares escreveu na sua página da rede social Facebook que devia "duas bofetadas salutares" a Augusto M. Seabra e a Vasco Pulido Valente.

João Soares foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa entre 1995 e 2002, em coligação com o PCP, assumindo o mandato depois de Jorge Sampaio deixar a autarquia da capital rumo à Presidência da República.

Com Sampaio na liderança da autarquia lisboeta, Soares foi vice-presidente e vereador da Cultura entre 1990 e 1994, altura em que Lisboa foi Capital Europeia da Cultura (1994), e em que foi criada Casa Fernando Pessoa (1993), entre outros equipamentos da Câmara.

Em 2001, venceu as eleições para a presidência da Câmara de Lisboa, sem alcançar maioria absoluta.

Durante a sua presidência de Câmara, realizaram-se as demolições dos bairros de barracas da capital, nomeadamente o da Curraleira, junto às Olaias, e o do Casal Ventoso, em Campo de Ourique, no âmbito do Programa Especial de Realojamento (PER).

De 1994 a 1995, João Soares foi também deputado ao Parlamento Europeu e foi membro do Conselho de Estado, de 1999 a 2002.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.