Açoriano Oriental
Jerónimo acusa Governo de “ocultar” verdadeiras causas das supressões na Soflusa

O secretário-geral do PCP acusou no sábado à noite o Governo de “ocultar” as verdadeiras causas das supressões na Soflusa, empresa de transporte fluvial entre o Barreiro e Lisboa, frisando que faltam trabalhadores e investimento na frota.

article.title

Foto: JOSÉ COELHO/LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

“É caso para dizer que o Governo e a administração se serviram do problema laboral para virar o descontentamento dos utentes com a falta do transporte contra os trabalhadores e, desse modo, ocultar as verdadeiras razões das constantes supressões das carreiras”, frisou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista discursava na Sociedade Filarmónica Agrícola Lavradiense, no Barreiro, no distrito de Setúbal, onde criticou o Governo por, “de modo continuado, não admitir os trabalhadores em falta e protelar os investimentos necessários”.

Neste sentido, considerou que a solução encontrada para resolver os problemas existentes, através de uma atualização do prémio dos mestres, é “uma resposta parcelar”, que “não ilude os problemas de fundo”.

Jerónimo de Sousa responsabilizou, assim, a “política de direita” pelos problemas existentes na Soflusa, por assentar “na ausência de investimento na frota, na sua manutenção e na falta de trabalhadores”.

O secretário-geral do PCP também culpabilizou o anterior Governo PSD e CDS por conduzir a “uma política de alienação de navios, degradação da frota, destruição de postos de trabalho, ataques aos direitos laborais e salários, e enormes cortes na oferta de transporte público”.

“Aquilo que o PCP, os trabalhadores e os utentes da Soflusa exigem é que o Governo, sem mais demoras, admita os trabalhadores em falta e acabe com o escândalo da precariedade existente na empresa, pare com a intenção de mandar mais serviços para empresas externas, invista na frota e na sua manutenção, e reconstitua o seu serviço de manutenção de modo a ser assegurada uma resposta pronta aos diversos problemas que se colocam à operação no dia-a-dia”, defendeu.

As perturbações no serviço da Soflusa começaram em 10 de maio devido à falta de mestres, o que se agudizou com uma paralisação parcial de dois dias e também uma greve às horas extraordinárias, que se iniciou em 23 de maio e estava prevista até ao final do ano.

Na sexta-feira, os sindicatos, a administração e o Governo chegaram a acordo, através de uma atualização do prémio dos mestres e as três greves agendadas foram desconvocadas.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.