Hotel Trident reabriu sob fortes medidas de segurança


 

Lusa / AO online   Internacional   21 de Dez de 2008, 13:08

O hotel Trident de Bombaim, atacado por um comando terrorista no final de Novembro, reabriu hoje com uma cerimónia multi-religiosa rodeada por fortes medidas de segurança.
    A cerimónia, que decorreu na recepção do hotel e juntou todo o pessoal do hotel e alguns convidados, entre os quais alguns líderes religiosos hindus, judaicos, cristãos e budistas.

    "Não há medo, vemos a coragem das pessoas e do próprio pessoal", disse Kritika Srinivasan, uma hóspede habitual do hotel, que entrou na recepção para cumprimentar os trabalhadores do hotel.

    "Temos de lhes [aos terroristas] mostrar que não destroem a nossa coragem e solidariedade", acrescentou.

    Os primeiros clientes que esta amanhã tomaram o pequeno-almoço num dos bares e restaurantes do hotel receberam um cartão de agradecimento e uma flor em vez da conta.

    O Trident, onde um total de 32 pessoas perderam a vida nos ataques, entre elas 10 trabalhadores, esteve encerrado mais de três semanas.

    A segurança à volta da unidade hoteleira foi reforçada com cães pisteiros e mais polícias armados junto à entrada do hotel, que reabriu 100 quartos.

    No interior da unidade hoteleira segurança privada faz passar todas as bagagens por detectores de metais e aparelhos de raio-x.

    O presidente da companhia gestora do hotel, Rattan Keswani, assegurou sábado em conferência de imprensa que a reparação de todas as zonas destruídas nos atentados custará entre quatro a cinco milhões de rupias (entre 61 mil e 76 mil euros) e deverá prolongar-se por vários meses.

    O responsável adiantou que a partir de agora as medidas de segurança vão manter-se ao nível de hoje, com a fiscalização de todas as bagagens, veículos e documentos de identidade dos visitantes do complexo hoteleiro.

    O empresário acrescentou que a reabertura do Oberoi, hotel também atacado e situado no mesmo complexo do Trident, levará pelo menos seis meses e que, neste caso, os custos das reparações subirão até às 400 milhões de rupias (6,1 milhões de euros)

    O grupo Tata, proprietário do hotel Taj Mahal, também visado nos ataques, prevê reabrir cerca das 13:00 (19:00 locais) a ala dos hóspedes que não ficou destruída.

    No passado dia 26 de Novembro, um comando terrorista lançou um ataque em diferentes locais de Bombaim que se prolongou por três dias e matou mais de 170 pessoas, segundo dados oficiais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.