Açoriano Oriental
Guardas prisionais marcam três dias de greve a partir de sexta-feira

Os guardas prisionais marcaram uma greve de três dias úteis, com início às 1 horas de sexta-feira e fim às 08 horas de 11 de junho, criticando a falta de diálogo do Ministério da Justiça.

article.title

Foto: Eduardo Resendes
Autor: Lusa/AO Online

Segundo o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) Jorge Alves, a greve é um protesto contra a falta de avaliação de desempenho, que “há cinco anos aguarda regulamentação”, a classificação de serviço de 2018 “que devia ter sido conhecida em abril” e os horários de trabalho que “vieram diminuir a vigilância dos reclusos”.

Jorge Alves adiantou que, após a entrega do pré-aviso de greve, o sindicato foi chamado pelo diretor-geral de reinserção de serviços prisionais, mas que a reunião “foi inconclusiva”.

O sindicato critica também a postura do Ministério da Justiça que diz “não privilegiar as negociações nem o diálogo social” nem "cumprir o prometido".

A remuneração dos guardas segundo a tabela da PSP é outra das reivindicações, tendo Jorge Alves referido que a secretária de Estado da Justiça tinha prometido ao sindicato que a questão estaria regulamentada no espaço de três meses.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.