Governo quer duplicar número de países com português no básico e secundário, diz MNE

Governo quer duplicar número de países com português no básico e secundário, diz MNE

 

Lusa/Ao online   Nacional   22 de Set de 2018, 02:43

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou esta sexta feira que o Governo quer "a breve prazo" duplicar o número de países com o português como língua internacional de opção no ensino básico e secundário.

"Neste momento, o número de países em que que há português como língua estrangeira no ensino básico ou secundário é de 20 e o nosso objetivo é duplicar esse número a breve prazo", disse Augusto Santos Silva, na apresentação Pública da Rede de Ensino de Português no Estrangeiro (EPE), no Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, em Lisboa.

O governante assinalou que mais de "300 mil pessoas estudam português" presentemente em todo o mundo, divididos por 70 mil na Língua de Herança (programa destinado a descendentes de emigrantes e originários de países lusófonos), mais de 150 mil no ensino superior e 100 mil pessoas no ensino de português como língua estrangeira de opção.

Depois de o presidente do instituto Camões, Luís Faro Ramos, ter indicado a perspetiva de aumentar a rede EPE de 75 para 80 países, o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou que "a área de ensino do português é absolutamente estratégica".

Após mencionar a conclusão da estruturação orgânica do instituto Camões, Augusto Santos Silva aludiu à "responsabilidade constitucional" da Língua de Herança e revelou a expetativa de aumento de "70 mil alunos", em vários países espalhados pelo mundo, apesar de identificados "problemas de procura, como em França".

No ensino superior, o membro do Governo sublinhou a "expetativa de ultrapassar-se os 150 mil alunos" e de passar-se de 48 para 51 cátedras.

"O valor do português como língua internacional é crescente", disse Augusto Santos Silva.

O ministro assinalou ainda a importância do ensino presencial de português, da oferta digital - em breve, o instituto Camões lançará plataforma Camões Júnior, para aprendizagem progressiva destinada a jovens de 12 a 17 anos - e da certificação.

O Instituto Camões perspetiva alargar a rede atual de ensino em português em 2019 a mais cinco países: Azerbaijão, Camarões, Cazaquistão, Gana e Panamá.

"Crescemos para áreas geográficas estratégicas em África, Ásia Central e América Latina", disse Luís Faro Ramos, que divulgou os números consolidados da rede em 2017 e as projeções para 2019.

No ensino de português no ensino básico e secundário, o número de alunos em 2017 foi de 68.758, enquanto a projeção para 2019 é de 70.000.

No ensino superior, 100.295 alunos frequentaram cursos de português e a previsão para o próximo ano é de 105.310.

"Há um crescimento contínuo do número de estudantes", afirmou Luís Faro Ramos, acentuando que também o número de membros do corpo docente.

A apresentação da rede contou também com a presença da secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, e do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.