Governo dos Açores garante que a caça respeita a sustentabilidade dos recursos cinegéticos

Governo dos Açores garante que a caça respeita a sustentabilidade dos recursos cinegéticos

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   2 de Jul de 2018, 09:32

A Secretaria Regional da Agricultura e Florestas diz que está assegurada a sustentabilidade dos recursos cinegéticos para a época venatória que se prolonga até 30 de junho de 2019.

Os calendários venatórios estabelecidos para cada uma das ilhas, publicados esta segunda-feira em Jornal Oficial, indicam aos caçadores quais as espécies que se podem caçar, o período em que a caça pode ser exercida, o número de peças que podem ser capturadas, os locais onde a caça é permitida e os processos de caça que podem ser utilizados.

Em nota do Gacs, a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, através da Direção Regional dos Recursos Florestais, salienta que os calendários venatórios relativos às ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Graciosa, São Jorge, Faial, Pico e Flores resultam da auscultação aos parceiros do setor e refletem o consenso alcançado entre todas as partes envolvidas neste processo.

O Governo dos Açores tem como principal objetivo garantir que a gestão dos recursos cinegéticos seja feita de uma forma sustentável, no respeito pelos princípios da conservação da natureza e do equilíbrio biológico e em articulação com as restantes formas de exploração da terra.

O esforço de caça manter-se-á nas diferentes ilhas e para as várias espécies cinegéticas, à exceção do coelho-bravo, para o qual os efeitos da Doença Hemorrágica Viral (DHV) continuam a marcar a atualidade cinegética na Região, destacando-se os casos das ilhas de Santa Maria e Flores, onde a caça a esta espécie se manterá fechada por não se observarem níveis de abundância que permitam o seu exercício sustentável.

No mesmo sentido e no rescaldo do surto da DHV que marcou o final da última época venatória na ilha de São Miguel, auscultadas as organizações de caçadores, agricultores, produtores florestais e de defesa do ambiente, o calendário venatório para a época de 2018/2019 concentra a pressão da caça ao coelho-bravo nas zonas onde se têm registado níveis de abundância mais elevados.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.