Governo da Madeira realça posição das regiões autónomas no Atlântico como uma "valência positiva"


 

Lusa / AO online   Regional   25 de Jan de 2018, 21:53

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, destacou hoje, no Funchal, a importância das duas regiões autónomas portuguesas no contexto geopolítico mundial, vincando que o posicionamento no Atlântico é uma "valência positiva".


"Estamos a falar, por exemplo, na plataforma continental, que é uma das maiores do mundo e isso deve-se à existência das regiões autónomas da Madeira e dos Açores", declarou o governante, realçando que é importante afirmar esta condição como uma "valência positiva", ao nível do país e da União Europeia no contexto das novas relações geopolíticas mundiais.

O chefe do executivo fez estas declarações no final da Cimeira Atlântica Madeira/Açores, que terminou com a assinatura de seis protocolos de cooperação entre as duas regiões e dois aditamentos aos acordos celebrados no primeiro encontro, realizado em 2016 nos Açores.

Os protocolos estabelecidos entre os dois governos, liderados pelo social-democrata Miguel Albuquerque na Madeira e pelo socialista Vasco Cordeiro nos Açores, incidem nas áreas da agricultura, ciência e tecnologia, prática musical, voluntariado jovem, telecomunicações por cabo submarino e energia.

Os aditamentos foram firmados ao nível dos recursos florestais e das pescas e aquicultura.

"Estes protocolos não são protocolos de retórica. São proclamações com princípios, meios e fins", disse Miguel Albuquerque, sublinhando que "há processos objetivos de concretização" e que os executivos vão concretizar a maioria destes objetivos, "a bem dos nossos povos, a bem da salvaguarda dos interesses das nossas regiões e a bem das novas gerações de madeirenses e açorianos".

O presidente do Governo Regional da Madeira reforçou, entretanto, que as duas regiões devem encarar o seu posicionamento geopolítico mundial como uma mais-valia, uma vez que, apesar de ultraperiféricas face à Europa, ocupam uma posição de centralidade em relação às duas maiores economias do mundo: a americana e a da União Europeia.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.