Governo considera Jornadas da Juventude em Lisboa uma "notícia extraordinária"


 

Lusa/Ao online   Nacional   27 de Jan de 2019, 20:25

O Governo português considerou este domingo como uma “notícia extraordinária” Lisboa receber a próxima edição das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), admitindo que o país nunca recebeu um evento desta dimensão.

“Estamos a falar do maior evento de juventude que há no mundo, eu não sei mesmo se alguma vez em Portugal recebemos algo parecido com isto e, portanto, é uma notícia extraordinária”, afirmou à agência Lusa o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, na Cidade do Panamá, onde se deslocou em representação do executivo.

o Vaticano anunciou hoje, na missa de encerramento das JMJ, na Cidade do Panamá, que é Lisboa a próxima cidade a acolher aquele que é considerado o maior evento organizado pela Igreja Católica.

“Eu diria que é de uma alegria absolutamente extraordinária para o nosso país, evidentemente para a Diocese de Lisboa, para a Câmara Municipal de Lisboa, mas claro também para o país, que vê assim reconhecida, mais uma vez, a grande capacidade organizativa que o país tem”, declarou o governante.

“Para o secretário de Estado da Juventude e do Desporto que, no desporto já sabemos que o nosso país tem sido tantas vezes reconhecido e escolhido como palco para os mais importantes eventos desportivos, agora também e numa área que tem tanto a ver com o futuro, com a esperança que são os jovens, nós podermos ter estas Jornadas Mundiais da Juventude é uma notícia absolutamente extraordinária”, declarou.

Questionado se o Governo está empenhado na concretização das JMJ, o secretário de Estado respondeu: “Com certeza que sim. Não será este Governo, será o próximo governo que estiver em funções, mas é, desde já, obviamente, um compromisso de Portugal, mais do que qualquer governo”.

Reiterando satisfação com o anúncio, João Paulo Rebelo informou que em junho próximo Portugal vai receber uma conferência mundial de ministros da juventude.

“Com o apoio das Nações Unidas, 21 anos depois, voltamos a ter uma conferência mundial de ministros, em que queremos não só os responsáveis políticos da juventude, mas também vão estar todos os países representados com delegados jovens a refletirem, sobretudo, a darem o seu contributo para o que vai ser a revisão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, adiantou.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.