Incêndios

Governo avança com formação de reclusos para sapadores florestais

Governo avança com formação de reclusos para sapadores florestais

 

Lusa/Ao online   Nacional   28 de Jul de 2018, 01:35

O Governo vai avançar com um projeto de formação de reclusos no domínio dos sapadores florestais, alargando a todo o país a experiência piloto desenvolvida no estabelecimento prisional de Alcoentre, anunciou esta sexta feira o secretário de Estado das Florestas.

“Podemos garantir, por um lado, boa formação, por outro lado, a reinserção social que se pretende”, afirmou Miguel Freitas, explicando que o projeto vai contar com a participação do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), em parceira com os Serviços Prisionais.

Em declarações à agência Lusa, o titular da pasta das Florestas e do Desenvolvimento Rural disse que a experiência piloto desenvolvida no estabelecimento prisional de Alcoentre, com 15 reclusos a receberem formação de sapador florestal, entre 01 de março e 31 de maio deste ano, foi concluída com “sucesso”, pelo que se pretende que os recém formandos integrem o programa de sapadores florestais que existe a nível nacional.

“Consideramos este programa piloto interessante e vamos agora passar à escala nacional”, reforçou Miguel Freitas, acrescentando que a ideia é “alargar esta formação a outros estabelecimentos prisionais, desde logo com uma próxima iniciativa no estabelecimento prisional de Leiria”, que se prevê concretizada até ao final deste ano.

A formação de reclusos no domínio dos sapadores florestais é de 250 horas, com sete módulos, nomeadamente questões relacionadas com o clima, a caracterização e identificação de espécies florestais, a prevenção florestal, a manutenção florestal, o uso de máquinas e utensílios na floresta, de podas e desbastes, portanto “uma formação sólida de sapador florestal equivalente àquilo que é a formação de sapador florestal que se faz a nível nacional”, frisou o governante.

Neste âmbito, o projeto vai ser desenvolvido pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e pelo Ministério da Justiça, através do trabalho dos Serviços Prisionais e da capacidade de formação do ICNF, instituto que disponibilizará “as matas públicas para todo o trabalho, quer de formação, quer de tarefas posteriores àquilo que é a ação de formação, para depois haver prática por parte dos reclusos”.

“Vamos alargar, de forma faseada, à medida que houver manifestação de vontade por parte dos estabelecimentos prisionais, normalmente isso acontece quando há disponibilidade por parte dos programas de formação para se avançar”, indicou o secretário de Estado das Florestas, adiantando que os formandos são “reclusos que estão já em sistema aberto, portanto estão na fase final do cumprimento da sua pena e muitos deles podem, numa perspetiva de reinserção social, vir a abraçar esta formação e esta profissão” de sapador florestal.

Na perspetiva de Miguel Freitas, “a questão da floresta é um problema que é de todos, todos devem contribuir”.

“Devemos trabalhar dentro de todas as disponibilidades e este é um programa que pode dar um contributo para aquilo que é uma tarefa que, certamente, não é apenas desta componente, portanto este é apenas mais um segmento social que queremos trabalhar para aquilo que é o grande objetivo que temos de fazer da floresta algo diferente”, declarou o secretário de Estado.

Além da participação dos Serviços Prisionais e do ICNF, o projeto do Governo pretende contar com a colaboração das organizações de produtores florestais e a Associação Nacional de Sapadores Florestais (ANSF).



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.