Governo açoriano avança com paleoparque em Santa Maria

Governo açoriano avança com paleoparque em Santa Maria

 

Lusa/AO online   Regional   22 de Jan de 2018, 14:04

O Governo Regional dos Açores vai criar um paleoparque na ilha de Santa Maria, com o objetivo de preservar as jazidas fossilíferas existentes e divulgar o espólio da ilha nesta área, anunciou esta segunda-feira o executivo.

“A mais oriental e antiga ilha do arquipélago dos Açores possui fósseis marinhos únicos, no contexto regional e nacional, e as suas jazidas fossilíferas constituem um verdadeiro laboratório ao ar livre, com relevância internacional, conforme atestam estudos científicos recentes”, adiantou o secretário regional adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, Berto Messias, numa conferência de imprensa tida em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira.

A proposta de decreto legislativo regional, que cria o Paleoparque de Santa Maria, foi aprovada em Conselho de Governo, na Horta, na passada quinta-feira, e classifica 20 jazidas fósseis, distribuídas pelas categorias de relevância internacional, nacional e regional.

Segundo Berto Messias, a ilha de Santa Maria tem “a maior jazida multiespecífica de fósseis a céu aberto do Atlântico Norte” e, nesse sentido, o paleoparque, a par da Rota dos Fósseis, do circuito interpretativo da Pedreira do Campo e da Casa dos Fósseis, vem também contribuir para a promoção da “diversificação da oferta de turismo de natureza sustentável dos Açores”.

O executivo açoriano aprovou ainda em Conselho de Governo o decreto regulamentar regional que vai permitir, após parecer positivo da Câmara Municipal de Ponta Delgada, a suspensão parcial do Plano Diretor Municipal, com vista à requalificação da zona da Calheta de Pêro de Teive, através da demolição das galerias comerciais inacabadas.

Em causa está o arranque das obras que vão permitir a demolição parcial do projeto existente, inacabado há vários anos, e a criação de um “espaço público de lazer e estadia com zonas verdes e pavimentadas, contemplando ainda a construção de uma unidade turística e uma área comercial”, num investimento privado superior a 9,3 milhões de euros.

O Conselho de Governo autorizou, por outro lado, a concessão de apoios financeiros, até ao limite orçamental de 3,6 milhões de euros, nos domínios da agricultura e pecuária, da promoção da saúde e bem-estar animal e da promoção dos animais de companhia.

Foi ainda autorizada a abertura de um concurso público para corte e venda de madeira criptoméria, destinada à exportação, acrescido de reflorestação, na ilha de São Miguel, num total de 345 hectares.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.