Golfe gera receitas de 1,8 mil milhões de euros por ano


 

Lusa / AO online   Economia   18 de Out de 2009, 13:45

O golfe é actualmente um dos 10 produtos prioritários a desenvolver a nível turístico em Portugal, até 2015, gerando receitas de cerca de 1,8 mil milhões de euros por ano, segundo os dados do Turismo de Portugal.

Actualmente existem cerca de 80 campos a nível nacional, dos quais cerca de 40 se situam no Algarve, cerca de 30 campos na zona de Lisboa e os restantes no Norte do país, disse à agência Lusa fonte do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG).

De acordo com a mesma fonte, estão em construção mais cinco campos de golfe, que estarão operacionais dentro de dois anos.

Segundo vários estudos realizados, o golfe é um dos mercados com grande potencial - mobiliza mais de um milhão de turistas europeus por ano - e tem um gasto médio elevado de cerca de 260 euros por dia e por pessoa.

Os peritos e profissionais do sector turístico estimam que o mercado do “golf travel” cresça a um ritmo de sete por cento ao ano, projectando assim uma duplicação do volume do mercado, para dois milhões de viagens, em 10 anos.

O Turismo de Portugal considera no seu plano estratégico para 2007-2015 que Portugal se apresente “como um destino de golfe muito bem posicionado no ranking europeu”.

Os dados mais recentes do organismo público referem que o golfe criou em Portugal um mercado que gera 1,8 mil milhões de euros de receitas por ano, mobiliza cerca de 300 mil jogadores por ano, 1,4 milhões de voltas e 1,1 milhões de dormidas.

Ao contrário de outros produtos turísticos, o golfe induz, ao longo de todo o ano, volumes muito consideráveis de receitas na hotelaria, na restauração e animação turística, sendo um importante produto de combate à sazonalidade.

Os principais mercados emissores de turistas de golfe para Portugal são o Reino Unido, a Alemanha, a Irlanda, a Holanda e a Escandinávia.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.