Conferência de Doadores

Fundo Global contra SIDA, Tuberculose e Malária dotado com mais sete mil milhões de euros


 

Lusa / AO online   Internacional   27 de Set de 2007, 20:53

O Fundo Global de Luta Contra a SIDA, a Tuberculose e a Malária vai ser dotado com 9,7 mil milhões de dólares (quase sete mil milhões de euros) para o período de 2008-2010, foi anunciado em Berlim.
"Hoje é um bom dia para a ajuda global, estou muito satisfeito com os compromissos assumidos nesta reunião", disse o ex-secretário-geral da ONU e presidente do Fundo Global, Kofi Annan, no fim da 2.ª Conferência de Doadores, na capital alemã.

Pouco antes, Annan tinha previsto que os donativos para prosseguir os trabalhos do Fundo Global a obter na conferência se cifrariam entre os seis e os oito mil milhões de dólares.

Os compromissos assumidos na capital alemã por representantes de mais de 30 países e instituições privadas excederam assim as expectativas dos promotores da iniciativa, como Annan reconheceu.

Portugal, que doou 7,5 milhões de dólares (cerca de 5,4 milhões de euros) para o Fundo Global, entre 2003 e 2007, não esteve representado na conferência.

Na inauguração da conferência, quinta-feira de manhã, a chanceler alemã Angela Merkel apelou à comunidade internacional para reforçar o combate à SIDA, à tuberculose e à malária, as três doenças endémicas mais perigosas, que matam anualmente mais de seis milhões de pessoas em todo o mundo, sobretudo na África e na Ásia.

Segundo dados do ministério da cooperação e desenvolvimento alemão, 70 por cento dos 40 milhões de pessoas que contraíram o vírus HIV/SIDA vivem na África sub-saariana.

Além de serem uma ameaça a milhões de seres humanos, as referidas pandemias são também "uma horrível componente do diabólico círculo da pobreza", acrescentou a chefe do governo alemão.

O Fundo Global para A Luta contra a SIDA, a Tuberculose e a Malária é um projecto conjunto para angariar meios adicionais no combate a estas doenças, a que aderiram entretanto mais de 60 países, fundações particulares, empresas e pessoas individuais.

Desde a sua criação, em 2002, por iniciativa do então secretário-geral da ONU Kofi Annan, já tinha angariado até Agosto deste ano 8,4 mil milhões de euros para financiar 450 programas de saúde pública em 136 países.

As medidas de auxílio salvaram a vida a dois milhões de pessoas, segundo estimativas dos responsáveis do Fundo Global. Só para combater a malária, foram distribuídas 30 milhões de redes anti-mosquitos impregnadas com insecticida.

Na Cimeira do G8 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia), em Junho, em Heiligendamm, foram aprovadas resoluções para dar acesso universal à prevenção, tratamento e medicação contra a SIDA até 2010, e travar esta epidemia até 2015.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.