Funcionários das Universidades querem pertencer aos órgãos de decisão


 

Lusa/AO online   Nacional   14 de Out de 2013, 12:22

Os funcionários das universidades portuguesas querem pertencer aos órgãos de decisão das instituições e vão pedir aos deputados parlamentares que alterem o diploma sobre o funcionamento das universidades, para que passe a prever essa situação.

Representantes da Associação Nacional de Funcionários das Universidades Portuguesas (ANFUP) vão quarta-feira à Comissão de Educação, Ciência e Cultura da Assembleia da República para discutir a proposta de revisão ao Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (RJIES).

“Vamos pedir que os funcionários não docentes tenham representação nos órgãos das universidades”, disse à Lusa Carmelinda Fernandes, presidente da ANFUP, sublinhando que as alterações previstas até agora nunca contemplaram os artigos relativos à representatividade dos órgãos.

Os administradores das universidades, os administradores do SASE (Serviço de Ação Social Escolar), assessores ou outros técnicos superiores que trabalham nas universidades mas não dão aulas são alguns dos funcionários que estão impedidos de pertencer a órgãos como os Conselhos Gerais.

Para Carmelinda Fernandes, estes funcionários podem melhorar o funcionamento das instituições de ensino superior e "ajudar na boa gestão das universidades".

A proposta da ANFUP já tinha sido enviada para o Ministério da Educação e Ciência e para a Assembleia da República, garantiu Carmelinda Fernandes, lembrando que, "atualmente, estes funcionários têm mais qualificações" e “conhecem bem a realidade das escolas”.

“Os docentes conhecem bem a parte científica das universidades e têm uma relação com os alunos mais dirigida para o lado pedagógico. Já os funcionários não docentes conhecem as necessidades dos alunos, do seu dia-a-dia”, defendeu a presidente da associação.

O RJIES foi aprovado em 2007 e está a ser alvo de alterações por parte do Ministério da Educação e Ciência.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.