Fidel Castro compara actuação de Israel à dos nazis

Fidel Castro compara actuação de Israel à dos nazis

 

Lusa/AO Online   Internacional   11 de Jun de 2010, 16:08

O ex-presidente de Cuba, Fidel Castro, considera que "a cruz suástica do Füherer parece ser a atual bandeira israelita", numa das suas "Reflexões" divulgada hoje pela imprensa cubana.

"O ódio do Estado de Israel pelos palestinianos é tal que não vacilariam em enviar milhão e meio de homens, mulheres e crianças para os crematórios onde foram exterminados pelos nazis milhões de judeus de todas as idades", escreve Fidel Castro no artigo a propósito do ataque israelita a uma frota internacional que tentava romper o bloqueio a Gaza para levar ajuda humanitária ao território.

Castro refere que a sua opinião sobre Israel não é fruto do ódio e lembra que o seu país se solidarizou e acolheu judeus perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial.

Fidel Castro refere-se também às novas sanções adotadas no Conselho de Segurança da ONU contra o Irão e afirma que "uma etapa nova e tenebrosa abre-se para o mundo".

O dirigente cubano responsabiliza os Estados Unidos pela "ideia aventureira" de criar em Israel, a partir da década de 50, "um polícia no Médio Oriente que hoje ameaça uma parte considerável da população mundial e é capaz de atuar com a independência e o fanatismo que o caracterizam".

Segundo Fidel Castro, Israel prepara um ataque contra o Irão e as "grandes potências estão a aproveitar o enorme interesse que o Mundial de Futebol suscita para acalmar a opinião pública internacional indignada com a conduta criminosa das tropas de elite israelitas" que atacaram a frota ao largo da Faixa de Gaza.

Fidel Castro, de 83 anos, afastado da vida pública desde 2006 devido a doença, cedeu o cargo de presidente ao irmão, Raul, mas continua a ser secretário do Partido Comunista, no poder em Cuba.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.