Ferreira Diniz diz não ter tido oportunidade de se defender de factos alterados


 

Lusa / AO online   Nacional   4 de Set de 2010, 18:39

O médico João Ferreira Diniz lamentou hoje o facto de não lhe ter sido dado oportunidade de se defender dos factos pelos quais o tribunal decidiu condená-lo no julgamento do processo Casa Pia a sete anos de prisão.

"Aos fim de seis anos foram alterados factos da acusação e o tribunal não permitiu que me defendesse. Defendi-me durante seis anos de uma coisa pela qual não fui condenado", disse Ferreira Diniz em conferência de imprensa em Lisboa, um dia após o veredicto do julgamento do caso de pedofilia na Casa Pia.

Enfatizou que "as condenações (de que foi alvo) não são as que estavam" na acusação e na pronúncia do processo Casa Pia, assinalando que "a pronúncia foi modificada pelo tribunal poucos meses antes da sentença", não lhe sendo dada oportunidade para se defender desses factos.

Por tudo isto, anunciou que vai requerer a nulidade do acórdão do coletivo.

Ferreira Diniz pretende "recorrer até ao fim do mundo" e anunciou que vai começar pelo Tribunal da Relação de Lisboa, onde "tem esperança que os juízes desembargadores analisem o processo de uma forma isenta", mas apontou também o Tribunal Constitucional e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem como hipóteses para recorrer.

O arguido diz não recear uma decisão da Ordem dos Médicos relativamente ao exercício da sua profissão de médico na sequência deste acórdão já que "o processo ficou em aberto a aguardar trânsito em julgado" da sentença.

"Acredito no bom senso dos colegas da Ordem dos Médicos", frisou o médico, que foi condenado a sete anos de prisão por quatro crimes de abuso sexual de menores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.